Economia

Rondônia 24/01/2018 13:05 Da assessoria

MEI ganha fôlego: governo prorroga até sexta, prazo para regularizar situação junto à Receita

Sinais de recuperação

 

Nos últimos anos, vivenciamos um período muito difícil, marcado por uma profunda crise econômica que, exposta pelos números pífios do Produto Interno Bruto (PIB) de 2015 e 2016, nos levou à maior recessão desde 1947. Porém, nós começamos a sentir uma pequena recuperação, traduzida em um crescimento tímido durante 2017 que, mesmo sendo muito lenta, conseguiu levar algum ânimo ao mercado, gerando boas expectativas para 2018. "Apesar de ser um ano de eleições, as projeções apontam um modesto crescimento do PIB em 2018, o que já é um alento", afirma o professor Antônio Evaristo Teixeira Lanzana, doutor em Economia pela Universidade de São Paulo (USP) e ex-consultor do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Segundo ele, são vários os fatores responsáveis por esse aquecimento. "Um deles foi o ambiente favorável na economia mundial, que beneficiou as exportações brasileiras. Outro fator que merece destaque foram as excelentes safras agrícolas em 2017, impulsionando o agronegócio brasileiro em 15%", analisa o economista, dizendo que esses elementos representaram um efeito multiplicador importante. "Muitas vezes, temos um crescimento pontual vindo das exportações e do agronegócio que, depois, se espalham de maneira positiva por toda a economia", esclarece o professor.

Agora, baseado no histórico da economia nacional, Lanzana acredita que o Brasil poderá crescer entre 2,5% e 3% anuais pelos próximos 5 anos, com alguma variação para mais ou para menos. "É o que dá para crescer de forma responsável, considerando o quadro atual em que o governo não pode expandir os gastos públicos, tampouco deixar de arrecadar a tributação, já que a situação fiscal do país está caótica", pondera ele, argumentando que o Brasil conseguiria até crescer mais do que isso, mas seria de maneira irresponsável, o que traria sérios problemas no futuro. "Um dos gargalos mais sensíveis é a precária infraestrutura, que afeta diretamente a competitividade do produto brasileiro. Agora, se houvesse uma avalanche de programas de concessões/privatizações, com pesados investimentos internacionais na área de infraestrutura, esse processo de crescimento certamente poderia ser acelerado", esclarece o especialista.

Por fim, o acadêmico entende que a atual política econômica está bem encaminhada, mas que, ainda, está longe de ser completa. "Infelizmente, ainda não podemos dizer que a crise já foi superada. O que eu espero, é que as reforma estruturais propostas evoluam e consigam entrar em vigor ainda em 2018, porque são relevantes e imprescindíveis para acelerar o ritmo de crescimento do país", conclui Lanzana.

 

Alguns cuidados na captação de recursos

 

Embora uma empresa possa ser extremamente lucrativa, eventualmente ela pode precisar de capital para investir e crescer ainda mais, ou, até mesmo, para melhorar o fluxo de caixa. E, é nessa hora que é preciso pensar em algo muito relevante: a forma como ela se apresenta para aqueles que podem levar esses recursos financeiros ao negócio. Segundo o empresário Eduardo Silva, CEO do Grupo FSA, são 3 pontos fundamentais a serem considerados nesse momento: a contabilidade, enquanto controle; os controles internos, para que se possa verificar adequadamente a qualidade do negócio; e o modelo de gestão cascateado, de forma que as decisões não fiquem totalmente concentradas numa única pessoa. "A qualidade das informações é fundamental para se determinar o crédito de uma empresa. E, para ter isso, é preciso ter uma contabilidade adequada, cuja ausência de boa estrutura de controles e de governança pode prejudicar o rating da empresa - nota que é dada pelos credores ao negócio, na hora de emprestar recursos", explica o especialista.

 

MEI ganha fôlego: governo prorroga até sexta, prazo para regularizar situação junto à Receita

            Os inadimplentes que não fizeram nenhum pagamento dos impostos nos três últimos anos e que estão com as Declarações Anuais do Simples Nacional (DASN-SIMEI) atrasadas poderão ter o Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) cancelado.

Se o CNPJ for cancelado, ele não poderá ser reativado e o empreendedor passa a ser um trabalhador informal se continuar exercendo a atividade econômica. Segundo dados da Receita Federal, dos 603 mil microempreendedores da capital registrados até novembro de 2017, 60,41% são inadimplentes, mais da metade. Em Rondônia, o  SIMPI/RO coloca  a disposição  dos empreendedores  serviço especializado para atender o empresário associado ou não,  que tem dificuldade em fazer diretamente no site da receita  e  com atendimento em horário corrido. 

Postado por Almi Coelho 


Ff68b8fe 4dd2 4658 a19b 54244f831894 Sulenorte530f5faaa10d5 26195397 398735003923231 7007675031640999292 n 26904052 1401088410020007 3468956295198393236 n 19944622 1768075189889160 2633147811106186329 o
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo