Geral

27/10/2017 18:38

Juiz mantém liberdade de imprensa em Rondônia ao julgar improcedente ação de senador contra jornal e jornalista; Gurgacz queria tirar...

A ação judicial foi impetrada pelo senador porque este se sentiu ofendido com a publicação de uma reportagem, acompanhada de um vídeo, em que o também senador Ivo Cassol acusa a Eucatur de sonegação fiscal.

O juiz Silvio Viana, da 4ª Vara Cível de Ji-paraná, por meio de sentença, reafirmou o princípio constitucional da liberdade de imprensa ao julgar improcedente uma ação judicial movida pelo senador Acir Gurgacz (PDT) contra o jornal eletrônico Tudorondonia e seu editor, o jornalista Rubens Coutinho. Na ação, Gurgacz chegou a pedir que a justiça retirasse o Tudorondonia do ar.

A ação judicial foi impetrada pelo senador porque este se sentiu ofendido com a publicação de uma reportagem, acompanhada de um vídeo, em que o também senador Ivo Cassol acusa a Eucatur de sonegação fiscal. A empresa de ônibus pertence à família do senador  e deve mais de  meio bilhão de reais somente à Previdência Social e, segundo Cassol, sonega impostos.

 

Revoltado com a denúncia de Cassol, Gurgacz , por meio de seu advogado, Gilberto Piselo, resolveu processar o jornal e o  editor, mas foi derrotado na justiça, sendo, inclusive, condenado a pagar as custas judiciais e os honorários advocatícios do Tudorondonia e do jornalista Rubens Coutinho. 

O Tudorondonia e seu editor foram defendidos pelos advogados Robson Oliveira, Cássio Vidal e  Márcio Melo Nogueira, do escritório Nogueira e Vasconcellos, e também pela advogada Carla Alexandre Ribeiro, de Ji-paraná.

O Escritório Nogueira e Vasconcellos  tem se notabilizado, entre outras ações, pela defesa da liberdade de imprensa no Estado de Rondônia, representando jornais e jornalistas independentes que ,de alguma forma, sofrem perseguições políticas por publicarem denúncias que desagradam pessoas poderosas, como o senador Acir Gurgacz.

Ao julgar a ação de Gurgacz improcedente, o juiz Sílvio Viana anotou:  " A atividade jornalística deve ser livre para informar a sociedade acerca dos fatos cotidianos de interesse público, vedando-se, todavia, a divulgação de notícia falaciosa que exponha a imagem dos indivíduos, com ofensa ao princípio constitucional da dignidade da pessoa humana, pois, se de um lado a Constituição Federal assegura a liberdade de manifestação de pensamento, por outro também garante o direito de reparação dos danos, pela lesão sofrida (artigo 5º, inciso V)".

Segundo o magistrado, "os entendimentos dos Tribunais tem sido que não há dano moral a ser indenizado quando o autor das afirmações emitir opiniões sobre fatos ou atos praticados pelo Senador, vez ser esse, figura pública, com cargo de relevo político e de destaque no âmbito nacional. Consoante demonstrado..., os requeridos limitaram-se a transcrever as palavras proferidas pelo Senador Ivo Cassol, em vídeo também veiculado naquela matéria jornalística, bem como a outra matéria veiculada pelo site ocdholding.wordpress, quanto a empresa Solimões. Ademais, não teceram comentários a respeito da pessoa do Autor ou de sua família, limitando-se a divulgarem o que foi dito por Ivo Cassol. Assim, os Requeridos não podem ser responsabilizados por tal, quanto mais por estar evidente que o autor da suposta difamação ou calúnia é outrem".

ASSISTA O VÍDEO ONDE O SENADOR IVO CASSOL DENUNCIA SONEGAÇÃO DE IMPOSTOS PELA EUCATUR, EMPRESA DA FAMÍLIA DO TAMBÉM SENADOR ACIR GURGACZ


705x90
340x90
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo