Justiça

Brasília 27/04/2018 16:18 G1

Lava Jato filma entrega de dinheiro que seria destinado à compra do silêncio de ex-assessor do PP

Operação Lava Jato acompanhou e registrou em vídeo, em fevereiro, duas entregas de dinheiro a José Expedito Rodrigues Almeida, ex-assessor do senador Ciro Nogueira (PP-PI), presidente do Progressistas.

A gravação foi uma "ação controlada" da Polícia Federal, isto é, uma operação planejada com o auxílio do próprio Almeida, que procurou a PF para denunciar um esquema de captação de propina de políticos do PP, entre os quais Nogueira e o deputado Eduardo da Fonte (PP-PE).

As informações sobre as gravações estão detalhadas no material da investigação, ao qual a TV Globo teve acesso.

Segundo Expedito Almeida, o dinheiro – R$ 5 mil na primeira entrega, em 26 de fevereiro, e R$ 1 mil na segunda, em 28 de fevereiro – destinava-se à compra do silêncio dele.

O ex-assessor disse à PF que as entregas foram feitas pelo ex-deputado Márcio Junqueira, ex-PP, atualmente no PROS, com o objetivo de que ele, Almeida, ficasse calado ou mudasse o teor de depoimentos dados anteriormente – desfavoráveis a Ciro Nogueira e Eduardo da Fonte (PP-PE). Nos autos da investigação, Almeida afirma que os pagamentos foram feitos “com a ingerência direta desses dois”.

Junqueira foi preso na última terça-feira (24), mesmo dia em que a Polícia Federal cumpriu mandados de busca nos gabinetes e nos apartamentos funcionais do senador e do deputado.

Após a ação controlada, Ciro Nogueira, Eduardo da Fonte e Marcio Junqueira passaram a ser investigados por suspeita de obstrução de justiça.

A investigação apontou que, na primeira entrega, “houve nítidos diálogos captados na escuta com referência a Eduardo da Fonte”. Na segunda, a Procuradoria Geral da República reproduziu imagens que mostram que no mesmo dia da entrega, o ex-deputado primeiro esteve na casa de Eduardo da Fonte e, depois, foi repassar o dinheiro a José Expedito.

O dinheiro recebido por Almeida foi apreendido pela PF. O ponto de partida dessa ação controlada foram quatro depoimentos prestados por ele em setembro de 2016, relatando que estava sendo ameaçado.

Hotel para guardar dinheiro

José Expedito Almeida prestou depoimentos anteriores a esses, que geraram a operação de terça-feira da PF. Nesses depoimentos, disse que repassava dinheiro a mando de Ciro Nogueira.

Essas revelações anteriores fazem parte do inquérito em que Ciro Nogueira e outros políticos do PP são investigados.

Em um dos depoimentos nesse inquérito, Almeida apontou um quarto de hotel em São Paulo usado para guardar dinheiro.

Segundo afirmou, era um quarto no Grand Plaza Hotel, na capital. “Eduardo da Fonte , Ciro Nogueira, Marcos Meira e Daividson Tolentino residiram no local por determinado período, sendo o mesmo utilizado para estocagem de dinheiro”, declarou.

Ele contou sobre relações do deputado e do senador com o advogado Marcos Meira e com Daividson Tolentino. Disse que Meira é amigo íntimo de Eduardo da Fonte.

Almeida disse ter arrecadado dinheiro para o deputado e repassado R$ 1,25 milhão para Meira.

O ex-assessor afirmou que transportou o dinheiro em espécie: R$ 900 mil teriam sido entregues no escritório de advocacia de Marcos Meira e outros 350 mil diretamente na casa dele, no Recife.

Sobre Daivison Tolentino, a testemunha diz que pegava dinheiro com ele a mando de Eduardo da Fonte e também de Ciro Nogueira.

Relatou que entre 2013 e 2014 foi ao Rio buscar R$ 50 mil a pedido dos dois parlamentares. Ele também contou que Daividson trabalhou no Ministério da Saúde por indicação política de Ciro Nogueira.


Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo