Nota de Falecimento

04/08/2018 09:21

Morre o pioneiro de Ouro Preto Agenor do Cinema

Morreu hoje dia 04/08/18 às 2 horas o dono do primeiro cinema de Ouro Preto do Oeste – um dos pioneiros que ajudou na instalação do Incra e na abertura das primeiras linhas vicinais de Rondônia, na antigo Projeto de Colonização Ouro Preto. Trata-se de Agenor Nogueira da Rocha – o Agenor do Cinema. Há cinco anos ele teve um AVC Isquêmico e, desde então, ficou 100% dependente para qualquer simples tarefa, até mesmo para comer e beber água. Seus últimos dias, mesmo como cadeirante e dificuldade de fala, era levado para passear todo fim de tarde por um dos filhos até à praça da igreja Católica, onde ficava ouvindo conversas de amigos que há mais de 20 anos se juntam no mesmo lugar para tomar chimarrão. 

Agenor era casado com Gladys Martha Gutierrez (falecida) e pai do Omar da Farmácia, do Roberto Gutierrez e do professor Osvaldo Orellana. Além dos filhos, Agenor deixa 10 netos e 10 bisnetos. O velório acontece hoje (04/08) a partir das 8 horas, na Associação Vida Nova e o enterro deverá acontecer às 16 horas. Ele estava perto de completar 90 anos.  

Pioneiorismo

Agenor chegou a Rondônia vindo de São Paulo em 1969 a convite Luiz Melo e Antônio Miache. Passou a trabalhar então com as equipes de topógrafos na demarcação das terras para a distribuição de lotes rurais e onde seriam abertas as estradas vicinais do primeiro projeto de colonização do Incra no Brasil – O PIC-Ouro Preto. No ano seguinte se tornou o motorista do engenheiro agrônomo Assis Canuto que era o administrador do Incra. Em 1970 dona Gladys e Agenor Montaram um restaurante que servia comida para os funcionários do Incra. Mais tarde, com a abertura do setor comercial da Praça dos Três coqueiros, montaram uma churrascaria. 

Agenor e dona Gladys em 1971 em uma festa no clube do Incra, que na época era tocado por este casal.
Agenor e dona Gladys em 1971 em uma festa no clube do Incra, que na época era tocado por este casal.

Ainda na década de 1970, Agenor realizou um sono da infância quando ainda morava no Ceará: contruiu um cinema – o primeiro cinema de Ouro Preto/RO que teve algumas curiosidades históricas. Uma delas era que as máquinas de projeção de filmes eram as mesmas máquinas que inauguraram o Cine Lacerda de Porto Velho. 

Nas décadas de 80, Agenor montou uma sala de projeção exclusiva para filmes impróprios para menores de 18 anos.  Adolescentes da época, que hoje são senhores acima dos 40 anos, adulavam ‘seo’ Agenor para conseguir assistir a um filme impróprio, cujo grau de nudez na atualidade é comum em sessões da tarde na TV aberta.

Primeiro cinema de Ouro Preto do Oeste, na esquina da Daniel Comboni com a Sete de Setembro.
Primeiro cinema de Ouro Preto do Oeste, na esquina da Daniel Comboni com a Sete de Setembro.
 

Antes de ir para Rondônia e morar em São Paulo, Agenor passou um bom tempo em Rio Branco. Ele era operador de escavadeiras. Foi ele quem abriu o Canal da Maternidade – uma obra grandiosa que foi realizada no início da década de 50 quando o Acre ainda era Território Federal. Foi nessa época, que em uma de suas viagens para Brasiléia, fronteira com a Bolívia, conheceu Gladys Martha Gutierrez, que morava em Cobija. Eles se casaram e foram morar em São Paulo. 

O corpo do senhor Agenor esta sendo velado na associação Vida Nova e o sepultamento sera as 16hs.

Da redação – Roberto Gutierrez

Agenor operando uma Escavadeira na década de 1950 na abertura do canal da maternidade em Rio Branco.Agenor durante o aniversário das netas Rosiane, filha do Omar da Farmácia, e Fernanda, filha do Roberto Gutierrez. Aofndo está Nelson Baracho que, assim como Agenor, também era aniversariante. (in memoria)Agenor durante o aniversário das netas Rosiane, filha do Omar da Farmácia, e Fernanda, filha do Roberto Gutierrez. Ao fundo está Nelson Baracho que, assim como Agenor, também era aniversariante. (in memoria)

De segunda à sexta-feira Agenor não perdia um fim de tarde na praça da Igreja Católica em Ouro Preto para ouvir conversas na “Boca-Maldita”. Ele talvez tenha sido o único idoso em Ouro Preto totalmente paralitico a ser levado todos os dias para passear.

Quase todo fim de semana, Roberto Gutierrez levava o pai Agenor para almoçar fora.

 


Sulenorte530f5faaa10d5 26904052 1401088410020007 3468956295198393236 n 19944622 1768075189889160 2633147811106186329 o
Crie seu novo site AgenSite
versão Normal Versão Normal Painel Administrativo Painel Administrativo