Barroso: Bolsonaro tem o ‘dever cívico’ de mostrar ‘provas’ de fraude na eleição

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso, reforçou nesta quinta-feira 17 que não há qualquer necessidade de o Brasil passar a contar com a impressão dos votos a partir das eleições de 2022.

As urnas eletrônicas, lembrou Barroso, nunca sofreram qualquer tipo de fraude, ao contrário do que sugere Jair Bolsonaro. Segundo o ministro, o presidente da República teria o “dever cívico” de apresentar indícios do suposto crime.

“A única vez em que houve algum tipo de questionamento foi a auditoria solicitada pelo então candidato Aécio Neves [em 2014], que foi feita e não apurou absolutamente nenhuma impropriedade, porque não há”, disse Barroso em entrevista à CNN Brasil.

“Se o presidente da República ou qualquer pessoa tiver alguma prova de fraude, tem o dever cívico de entregá-la ao Tribunal Superior Eleitoral. Estou esperando de portas abertas e de bom grado. O resto é retórica política, são palavras que o vento leva”, acrescentou.

Barroso ainda afirmou não ter “paixão por urna eletrônica, mas por eleições limpas”.

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários