Empresário pede cassação de prefeito por nomear genro em cargo de 1º escalão com salário de R$ 9 mil; leia íntegra

A Câmara de Vereadores de Ji-Paraná protocolou nesta sexta-feira, 11, o pedido de abertura de processo de impeachment contra o prefeito Isaú Raimundo da Fonseca (MDB), acusado de ato de improbidade administrativa por contratar um parente próximo para ocupar cargo de primeiro escalão e tentar ajustar a legislação para que o nomeado pudesse ter requisitos exigidos para exercer a função.

Conforme documento obtido pelo Extra de Rondônia, o pedido foi protocolado por Bruno Scheid, denominado na petição como empresário do Município, e no procedimento foi tomado o cuidado de pedir a suspeição do atual presidente da Câmara Municipal para receber o processo, visto se tratar de ninguém menos do que o filho do prefeito.

Na descrição do fato, o denunciante narra que Isaú nomeou Wellington Dias dos Santos como presidente da Autarquia Municipal de Trânsito e Transportes do município, sendo que este é genro do prefeito, e não teria qualificação escolar para exercer o cargo, posto exigir-se formação em nível superior para tanto.

O denunciante frisa também que o salário da função comissionada é de R$ 9,100 mil, e que o indicado sequer possui algum tipo de experiência na área que o credenciasse para tanto.

Prosseguindo na narrativa, Bruno afirma que para conseguir emplacar o genro no cargo Isaú teria enviado à Câmara de Vereadores projeto de lei que altera as exigências pare ocupação de cargos no Município, substituindo a exigência de formação superior para ensino médio, numa clara tentativa de ajustar as normas para beneficiar o parente.

Diante dos fatos Scheid considera que há elementos que justifiquem a abertura de processo de impeachment, e requer do vice-presidente da Casa de Leis, vereador Marcelo Lemos (PSD), as devidas providências.

 

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários