Governo cede à pressão de PMs e aceita reajustar salários em até 25,24%, mas alguns recusam a proposta

O Governo Marcos Rocha (PSL) havia fincado pé num reajuste de 8% para a Polícia Militar, mas, diante da pressão das mulheres de policiais e bombeiros, cedeu e apresentou, na noite desta terça-feira, uma proposta de 25,24% de aumento, a ser concedido de forma escalonada.

Durante encontro no CPA – Centro Político e Administrativo do Governo -, o Estado aceitou ampliar o aumento anteriormente anunciado: 8%.

Participaram da reunião representantes do Ministério Público de Rondônia, associações da categoria e mulheres de policiais militares e bombeiros militares.

Pela proposta, o aumento seria de  8% EM  janeiro de 2022– já definido em lei-, acrescentando-se em fevereiro mais 11,5 % e 4% no mês de março do próximo ano, chegando ao total de 25,24%. O impacto anual a partir de 2021 seria de R$ 200 milhões.

Na capital, a proposta do Governo foi bem recebida. Militares decidiram aprová-la, mas, no interior, policiais de 11 municípios discordam e recusaram a oferta, o que abre a possibilidade de uma greve.

O Governo comprometeu-se  encaminhar o projeto de Lei para  Assembleia Legislativa ainda nesta semana

Municípios que aceitaram a proposta:

Porto Velho
Ariquemes
Rolim de Moura
Alta Floresta

Municípios que recusaram:

Cujubim
Vilhena
Pimenta Bueno
Alvorada
Nova Mamoré
Cacoal
Ji-Paraná
Jaru
Guajará-Mirim
Presidente Médici
Espigão do Oeste

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários