Amor: Conheça a história de Marinês a avó, com duas formação e decidiu estudar outra faculdade e pós graduação para ajudar seu neto autista.

Propaganda do ar
blank

O dia 02 de maio de 2016, foi o um momento marcante na vida de Dayane , mãe do Ralf Henrique, dia do seu nascimento e como sempre sua avó Marinês acompanhou tudo de perto, sempre presente, ocorreu tudo bem durante a cirurgia. – “Lembro da enfermeira me mostrando aquele bebê lindo, foi um momento único”,recorda a avó.

Ralf Henrique se desenvolveu perfeitamente como uma criança na idade dele até 1 ano e meio sua avó professora e na sua turma tinha um aluno autista, que ajudou a ir em busca de conhecimento para acompanhar e conhecer melhor o TEA, começou observar seu neto em casa, com os movimentos repetitivos e também andava com as pontas dos pés e a organização dele com as peças de brinquedos e chinelos enfileirados,, Ralf Henrique falou no tempo certo, mas aos poucos foi perdendo a fala, que começou a  balbuciar palavras: “Todo mundo me dizia que não era para eu me preocupar porque, no menino, a fala acontece mais tarde”. Mas avó Marinês e sua filha Dayane mãe do Ralf Henrique resolveram buscar ajuda médica. E foram diretamente em uma clinica de neuropediatra, que devido ás observações e as experiências da avó do Ralf

Henrique começou os diagnósticos, junto á outros profissionais de saúde que seu neto Ralf Henrique era portador do TEA, “ele é autista”. Disse a neuropediatra.

Com as idas e vindas da neuropediatra,  representou um divisor de águas na vida dessa mãe e dessa avó ainda cheia de dúvidas, chegando em casa, Ralf abriu um caixa cheio de carrinhos, e outros brinquedos e ficou olhando para todos aqueles brinquedos e se isolou no mundo dele.

Sua mãe e sua avó começaram a procuraram entender melhor de ver este mundo tão diferente, tentaram procurar ajuda de alguns familiares e para eles também aprender a conviver com o diferente: “Eles têm um mundo só deles, e todos que convivem com o Ralf  precisavam entender isso, disse avó.

Derrubando barreiras

Nas suas andanças, descobriu que a família que tem um autista enfrenta dois obstáculos: o primeiro é perder o medo e permitir que o filho especial tenha uma vida como as das outras crianças, e o segundo é conseguir terapias para melhorar a  convivência de Ralf Henrique.

Dayane  matriculou Ralf na creche  municipal  de Santa Luzia D´Oeste, para melhorar a socialização, mas as terapias não tinha como começar, pois a mãe nem a avó tinham condições financeiras, foi então que a avó conversando com uma mãe de um autista, tirou todas as duvidas de como conseguir tratamento e acompanhamento de profissionais para começar estas terapia, agora conhecedora da lei 12.764/12, que Institui  a Política Nacional dos direitos da pessoa com Transtorno do Espectro Autismo, começa a luta para conseguir os tratamentos, mas a demora é imensa, e o Ralf Henrique só progredindo; foi então, que a avó Marinês, formada em administração e licenciada em letras e terminando curso de pedagogia atuando na área da educação, decide se especializar em Neuropsicopedagogia  e Terapia ocupacional, para ajudar seu neto Ralf Henrique e futuramente outras crianças com o TEA.

blank

Propaganda do ar

Como você avalia a gestão do Governo Marcos Rocha?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site