Barroso acusa Bolsonaro de “mentira e desinformação”

24x31 banner gov
blank

O ministro Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), reagiu, mais uma vez, às constantes críticas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro ao sistema eleitoral do país. Segundo o magistrado, dizer que o sistema é fraudulento “é um discurso quem não aceita a democracia”.

“O discurso de que ‘se eu perder houve fraude’ é de quem não aceita a democracia, porque a alternância no poder é um pressuposto dos regimes democráticos”, ponderou Barroso, nesta quinta-feira (29/7), ao participar da inauguração da nova sede do Tribunal Regional Eleitoral do Acre.

Barroso destacou que “o sistema atual consagra a democracia e que uma das características da democracia é reconhecer que outro que pensa diferente de mim pode ganhar”. Apesar de não citar Bolsonaro nominalmente, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) lamentou a maneira como o sistema eleitoral brasileiro passou a ser desmerecido nos últimos meses.

“Uma causa que precise de ódio, mentira, desinformação, agressividade e grosseria não pode ser uma causa boa”, reclamou Barroso.

O magistrado ainda comentou que o voto impresso, tão defendido por Bolsonaro para as eleições do ano que vem, não é mais seguro do que a urna eletrônica. Barroso disse que “há uma crença de pessoas de boa fé de que o voto impresso traria mais uma possibilidade de auditoria”, mas opinou que, “a despeito disso parecer lógico, isso não é verdadeiro”.

“Ele (voto impreso) é menos seguro porque precisa ser transportado. Estamos falando de 150 milhões de votos. Há regiões com milícias, roubo de cargos. Transportar votos, armazenar votos. Isso é um filme de terror. Vai dar inconsistência. Dá no caixa do banco, que não quer perder dinheiro. Imagine num país polarizado”, alertou.

Barroso ainda fez menção à derrota do deputado Aécio Neves (PSDB-MG) em 2014, quando ele disputou a Presidência da República e perdeu para Dilma Rousseff (PT). Bolsonaro afirma que o tucano deveria ter saído vitorioso, apesar de o próprio Aécio reconhecer que perdeu o pleito.

“Em 2014, o candidato derrotado pediu auditoria e o próprio partido reconheceu que não houve fraude. Nunca se documentou fraude. No dia que se documentar, a Justiça Eleitoral vai apurar imediatamente. Ninguém tem paixão por urnas, mas, sim, por eleições livres e limpas”, destacou Barroso.

Fonte: Blog da Cidadania

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site