24.5 C
Ariquemes
quarta-feira, abril 14, 2021
Início Geral Prefeita expede Decreto proibindo atendimento presencial em estabelecimentos não essenciais a partir...

Prefeita expede Decreto proibindo atendimento presencial em estabelecimentos não essenciais a partir de 26/02 14h40m e cria Comissão de Fiscalização, Controle e Combate ao COVID-19

A Prefeita de Ariquemes, Carla Redano, publicou nesta sexta-feira, 26/02, as 14h40m, o novo Decreto Municipal n° 17.255, que já entrou em vigor, visando restringir ainda mais as medidas de Distanciamento Social para o enfrentamento e combate ao coronavírus no município. A Prefeita criou a Comissão de Fiscalização, Controle e Combate ao COVID-19, que aplica multas a quem infringir o Decreto. Confira o Decreto na íntegra:

 

 O novo Decreto Municipal n° 17.181/21, publicado em 03 de fevereiro de 2021, pela Prefeita do município Carla Redano, além de ampliar regulamentação de funcionamento de restaurantes no período da Fase 01 de Distanciamento Social, também estabeleceu em seu Capítulo III, a partir do Art. 17, medidas de fiscalização, inclusive com aplicações de multas para quem descumprir as regras estabelecidas no Decreto, as quais compreendem os valores de R$ 150,00 à R$ 600,00, por ato e por dia, podendo serem quadruplicadas. Confira a Lei que estabelece as penalidades:

Lei Nº 4788 DE 04/06/2020

O Governador do Estado de Rondônia:

Faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte Lei:

Art. 1º Esta Lei disciplina normas sobre o descumprimento das medidas de saúde, durante o período de Calamidade Pública, visando o enfrentamento do novo Coronavírus – COVID-19.

  • 1º O disposto no caput tem fundamento na Lei Federal nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, bem como na Lei Federal nº 13.675, de 11 de junho de 2018, além do Decreto-Lei nº 2.848 , de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal.
  • 2º As notificações e autuações serão realizadas pelas autoridades de saúde, de segurança pública, de fiscalização do Estado de Rondônia ou dos municípios.

Art. 2º As infrações para às pessoas físicas que descumprirem as medidas de saúde, classificam-se em graves ou gravíssimas, podendo ser aplicada cumulativamente por cada ato e por cada dia de descumprimento, as seguintes penalidades:

I – para as infrações de natureza grave, o valor da multa será de R$ 150,00 (cento e cinquenta reais); e

II – para as infrações de natureza gravíssima, o valor da multa será de R$ 300,00 (trezentos reais).

  • 1º Em caso de reincidência os valores poderão ser dobrados, sem prejuízo de outras sanções constantes em normas específicas.
  • 2º Organizadores de festas e eventos em contrariedade as normas de proteção a saúde, poderão ter a pena do inciso II quadruplicada, conforme o quantitativo de participantes.

Art. 3º As infrações para as pessoas jurídicas que descumprirem as medidas de saúde, classificam-se em graves ou gravíssimas, podendo ser aplicada cumulativamente por cada ato e por cada dia de descumprimento, as seguintes penalidades:

I – para as infrações de natureza grave, o valor da multa será de R$ 300,00 (trezentos reais); e

II – para as infrações de natureza gravíssima, o valor da multa será de R$ 600,00 (seiscentos reais).

Parágrafo único. Em caso de reincidência os valores poderão ser dobrados, com a devida interdição do local, sem prejuízo de outras sanções constantes em normas específicas.

Art. 4º A aplicação das multas dar-se-á sem prejuízo da adoção de medidas administrativas como a apreensão, interdição, cassação de alvará e o emprego de força policial, bem como da responsabilização penal, pela caracterização de crime contra a saúde pública, tipificado no artigo 268 do Código Penal.

Art. 5º Para a aplicação das multas, a responsabilidade da pessoa jurídica não exclui a da pessoa física, na medida de sua culpabilidade.

Art. 6º Os gestores locais do Sistema Único de Saúde – SUS, os profissionais de saúde, os dirigentes da administração hospitalar e os agentes de vigilância epidemiológica poderão solicitar o auxílio de força policial, nos casos de recusa ou desobediência por parte de pessoa submetida às medidas de proteção determinadas pelo Ministério da Saúde e pela Secretaria de Estado da Saúde, pelas Secretarias Municipais de Saúde e pelos órgãos de vigilância sanitárias estadual e municipais.

Art. 7º Os agentes fiscalizadores, de saúde e de segurança pública, até a regulamentação desta Lei, deverão expedir advertência formal de caráter pedagógico e orientativo às pessoas físicas e jurídicas que descumprirem esta Lei.

Parágrafo único. A autoridade policial poderá encaminhar o agente à sua residência ou estabelecimento hospitalar para cumprimento das medidas estabelecidas no artigo 3º da Lei Federal nº 13.979, de 2020, conforme determinação das autoridades sanitárias.

Art. 8º As multas aplicadas, caso não adimplidas no prazo legal, serão inscritas na Dívida Ativa do Estado.

Art. 9º As multas serão recolhidas ao Fundo Estadual FUN-HEURO, criado pela Lei Complementar Estadual nº 1.033, de 22 de agosto 2019.

Art. 10. As regulamentações necessárias para complementar esta Lei serão disciplinadas por Decreto Estadual.

Art. 11. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Palácio do Governo do Estado de Rondônia, em 4 de junho de 2020, 132º da República.

Mais Populares

Hospital de Ariquemes fica sem energia elétrica das 13hrs às 18hrs

A Falta de energia elétrica e o não funcionamento do gerador ocorreu nesta quarta-feira, 14, no Hospital Municipal, UPA e CAR de Ariquemes, um...

Polícias são surpreendidos durante operação em área rural, em RO

Na noite de terça-feira (14), as guarnições de polícias que compõem a ‘Operação Paz no Campo e os líderes do movimento Liga dos Camponeses...

Alvo de operações durante a pandemia, CPI da COVID pode resultar em impeachment de Marcos Rocha

Instaurada nesta última terça-feira (13) no Congresso Nacional, a CPI da COVID, que inicialmente investigaria uma suposta omissão do Governo Federal nas ações de...

Bolsonaro diz que espera ‘sinalização do povo’ para ‘tomar providências’

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira (14/4) que aguarda "uma sinalização do povo" para "tomar providências" a respeito das consequências econômicas causadas pela pandemia da COVID-19, entre elas...
Skip to content