31.8 C
Ariquemes
quarta-feira, maio 12, 2021
Início Variedades,Brasil PROTEÇÃO DE NASCENTES É ESSENCIAL PARA RESOLVER A CRISE HÍDRICA NO PAÍS

PROTEÇÃO DE NASCENTES É ESSENCIAL PARA RESOLVER A CRISE HÍDRICA NO PAÍS

O drama da crise hídrica é recente para alguns estados e em outros persiste há anos, sem soluções viáveis ou perenes. Os estados nordestinos, por exemplo, convivem desde 2012 com a seca mais severa das últimas décadas. Além das residências, a agropecuária – importante atividade para a economia nacional, é impactada diretamente pela escassez de água. E é justamente do campo que se vislumbra uma possível alternativa para a crise. É o que propõe o Oásis, iniciativa de Pagamento por Serviços Ambientais (PSA), criada em 2006 pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. Por meio de uma metodologia própria, e em parceria com governos e entidades privadas, proprietários particulares que estejam dispostos a conservar áreas naturais e adotar práticas adequadas de uso do solo são recompensados financeiramente.

Em dez anos, o Oásis já beneficiou 434 propriedades, protegendo em torno de 3.960 hectares de áreas naturais nativas em 4 estados brasileiros: São Paulo, Santa Catarina, Bahia e Minas Gerais. “O potencial do PSA é enorme, visto a extensão de propriedades que existem no país. Falamos do Oásis como alternativa para conservar recursos hídricos porque os proprietários se comprometem, entre outros fatores, a proteger as nascentes dos rios existentes em suas terras por meio de áreas naturais conservadas. Muitas dessas nascentes são a origem da água que consumimos”, explica Malu Nunes, diretora executiva da Fundação Grupo Boticário.

 

É importante entender a relação de se conservar as áreas naturais para que tenhamos água de qualidade e em quantidade. Além do uso sem medida dos consumidores e de empresas, o que acontece nas nascentes dos rios que fornecem água potável e qual a sua relação até chegar (ou não) às torneiras de nossas casas?

 

Construções irregulares e uso econômico da terra sem práticas adequadas como saneamento básico, supressão da vegetação nativa nas áreas de preservação permanente, entre outras práticas, geram a contaminação e o arraste de sedimentos para o leito dos rios, o que, no caso dos mananciais de abastecimento público, aumenta significativamente os custos para tratamento e distribuição de água, potencializando a crise hídrica.

 

O objetivo do Oásis é contribuir com os esforços públicos para conservação de áreas naturais por meio da premiação financeira à propriedades privadas. As entidades públicas ou privadas que firmam termo de compromisso técnico com a Fundação Grupo Boticário recebem, gratuitamente, suporte técnico e metodológico para a execução do projeto de PSA, que contam com metodologia de valoração ambiental e sistema on-line para auxiliar na gestão do projeto. Cabe aos executores locais buscar fontes financiadoras para viabilizar o projeto e proprietários de terras dispostos a fazerem parte do projeto.

 

Nesta década de existência, o projeto já gerou bons frutos, como o caso do Oásis Serra da Moeda Brumadinho, no estado de Minas Gerais, que conta com a parceria do Ministério Público Estadual e da Amda – Associação Mineira de Defesa do Ambiente. Boa parte dos mananciais que abastecem a capital mineira e sua região metropolitana está localizada em território brumadinhense. Por meio da conservação da natureza é possível garantir a qualidade da água que é consumida pela população.

 

“É um projeto muito bacana. Há cerca de dois anos, as meninas da Fundação vieram aqui e explicaram que minha propriedade tinha muito potencial e que eu poderia ser recompensado por ajudar a preservar as áreas de reserva com nascentes”, lembra Geraldo Egg Campos, proprietário de um haras turístico na região de Brumadinho, com 18 hectares de terra, sendo 4 deles de área natural. As “meninas” em questão são as analistas da Fundação Grupo Boticário e da Amda que percorrem diversas propriedades na incansável bravata em proteção da natureza de Brumadinho.

 

Desde então, o proprietário passou a cercar a área e plantar mudas para restaurar a vegetação nativa. ”Notei que pararam de desmatar uma área vizinha a minha propriedade e, com isto, já conseguimos ver que a vazão da água tem aumentado”, conta Geraldo. E completa: “agora estou sempre de olho e se noto algo irregular, já aviso. Com o PSA, o cenário do meu haras mudou, para melhor, claro”.

 

 

Já no interior do estado de São Paulo, em São José dos Campos, a iniciativa traz esperança para proteger e recuperar as nascentes que fornecem água à micro bacia que abastece o Distrito Turístico de São Francisco Xavier. São quatro propriedades participantes que, segundo a Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura de São José dos Campos, juntas representam 64% da área da micro bacia do Ribeirão das Couves, afluente do Rio do Peixe que é formador do Reservatório do Jaguari, o qual está passando por obras de transposição para o Reservatório Atibainha. Com a conclusão da obra, prevista para o ano que vem, o Reservatório Atibainha deverá passar a abastecer a região metropolitana de São Paulo.

 

Fonte: Assessoria

Mais Populares

Polícia Federal realiza operação WOOD LAND e desarticula grupo de madeireiros que extraíam madeiras ilegais em terra indígena

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta terça-feira, 11/05/2021, a Operação WOOD LAND, cumprindo mandados nas cidades de Ji-Paraná/RO, Cacoal/RO, Ministro Andreazza/RO e Rondolândia/MT,...

Boletim diário sobre coronavírus em Rondônia

O Governo de Rondônia, por meio da Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), divulga balanço...

PACIENTES PRECISAM SER DESLOCADOS PARA OUTRAS UNIDADES PARA CONSEGUIREM APENAS UM EXAME DE TOMOGRAFIA

Meus amigos, após denúncias, encaminhamos ao Governo de Rondônia pedido de providências quanto ao aparelho de tomografia do Pronto-socorro João Paulo II que está...

TJRO mantém indeferimento de posse em cargo emergencial de médica que acumulava cargo

 A 2ª Câmara Especial do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia manteve a sentença do Juízo da 3ª Vara Cível da Comarca de...
Skip to content