O Adeus de Fred no Fluminense

24x31 banner gov

Foram sete anos e três meses de alegrias, tristezas, algumas polêmicas e muitos gols. Mas o casamento entre Fred e o Fluminense chegou ao fim na noite da última quarta. Após uma rápida negociação com o Atlético-MG, que ganhou força na segunda-feira, o atacante teve a sua contratação anunciada pelo presidente atleticano Daniel Nepomuceno no Twitter. Uma entrevista coletiva com o presidente Peter Siemsen e o diretor executivo de futebol Jorge Macedo está marcada para a tarde desta quinta. O agora ex-capitão tricolor deixa as Laranjeiras com 172 gols marcados em 288 jogos e vai render aos cofres do clube cerca de 1,5 milhão de dólares (R$ 5 milhões).

Mas o principal ''ganho'' financeiro  do Flu é o alívio na folha salarial. Com vencimentos de R$ 800 mil mensais, divididos entre salários e direitos de imagem, Fred ainda custaria cerca de R$ 33 milhões ao clube das Laranjeiras até dezembro de 2018 – data do fim do seu contrato. A saída dividiu os tricolores nas redes sociais e deixou a dúvida no ar: qual o preço de um ídolo?

O roteiro de adeus passa ainda pelo aumento negado no início do ano, pela insatisfação de Fred com o problema, pela relação desgastada com o técnico Levir Culpi, pela vontade de parte da diretoria e por uma liderança que já não era mais considerada a mesma no vestiário.

– O Fluminense hoje não comporta mais um jogador como o Fred.

A frase acima é de uma pessoa ligada à alta cúpula de futebol tricolor e foi dita no meio da confusão entre o atacante e Levir no início de abril. Representa o pensamento de alguns membros do conselho diretor do clube em relação ao capitão. O lado torcedor dos dirigentes não aprova a saída pelo o que o ídolo representa. O lado gestor, no entanto, vê o adeus como necessário no atual momento do futebol brasileiro. Sem o aporte financeiro da Unimed há um ano e meio, o Fluminense sofreu com os atrasos da Viton 44 em 2015. Hoje se vê em busca de um novo patrocinador master desde março. Sem a mesma força para gerar receitas do que outros rivais e em desvantagem na divisão das cotas de televisão, o clube luta para se manter no topo e na briga por títulos. O custo benefício de Fred, um atacante de 32 anos com salário de R$ 800 mil, não se encaixava mais nesse panorama. 

O camisa 9, aliás, queria ganhar mais. Volta e meia pedia aumento para voltar a receber R$ 1 milhão por mês, seu último salário na Era Unimed. O Tricolor não aceitava. Como o Flu abriu o cofre nas contratações no início do ano, o atacante insistiu. Foi quando a diretoria prometeu tentar até o meio do ano. Caso não conseguisse, o jogador seria negociado. Nesse meio tempo, existiu até a possibilidade de a Dryworld arcar com os R$ 200 mil que faltavam. Mas as negociações com o staff de Fred não evoluíram. 

O atacante queria permanecer no Rio ou então voltar para Belo Horizonte, capital de seu estado natal, onde moram seus parentes e a família de sua esposa Paula Armani, que está prestes a dar a luz à segunda filha do atacante. Nos últimos dias, ele foi oferecido ao Cruzeiro, seu ex-clube, que recusou. Já o Atlético-MG gostou da ideia e contratou Fred pensando na iminente saída do argentino Pratto.

Nos bastidores das Laranjeiras, muita gente já via um desgaste natural na liderança de Fred após mais de sete anos. E a briga com Levir deixou isso claro. Enquanto a diretoria se negou a demitir o treinador, com quem o atacante deixou claro em um primeiro momento que não jogaria mais, o elenco não se revoltou contra a provável saída do capitão. Muito pelo contrário. Muitos reagiram com indiferença ao imbróglio. No único jogo sem Fred durante a confusão, boa atuação e vitória tranquila sobre o Volta Redonda por 2 a 0.

Apesar de Fred não ter contado abertamente sobre a sua saída aos jogadores, muitos já sabiam da decisão. E boa parte deles gostou da notícia. As broncas exageradas e o perfil individualista já incomodavam. Alguns atletas mais jovens acreditavam que o camisa 9 “só dava moral” quando era conveniente. O empenho nos últimos jogos, quando os companheiros julgaram que o atacante correu mais do que o normal, também chamou atenção.  Seu último gol foi marcado contra o Botafogo, no dia 29 de maio.
Até esta madrugada, Fred ainda estava no grupo de Whatsapp do elenco e comissão técnica. Depois de se despedir dos jogadores nesta quinta-feira, a mensagem “Fred foi removido do grupo” vai aparecer. Um ato também simbólico para o Fluminense encontrar um novo caminho sem sua maior referência.

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
airton

airton

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site