Justiça Criminal de Rondônia começa a operar com PJe Criminal

Propaganda do ar

O Sistema de Processo Judicial Eletrônico Criminal (PJe) é uma realidade no Poder Judiciário de Rondônia a partir desde segunda (15). A primeira ação penal foi distribuída junto à 2ª vara criminal da comarca de Cacoal e visa apurar a prática de um crime de furto. Somente em junho, a implantação ocorrerá em cerca de 20 unidades judiciárias, conforme Plano de Ação aprovado pela Corregedoria-Geral do Tribunal de Justiça de Rondônia (CGJ-TJRO).

Inicialmente, os juizados criminais e as varas criminais de Cacoal serão as primeiras unidades a implantarem o PJe Criminal, cuja principal premissa é tornar a justiça rondoniense mais célere e unificada, já que o PJRO conta, atualmente, com três sistemas judiciais de 1º Grau.

A implantação do PJe Criminal é uma das metas do Plano de Gestão da Corregedoria para o biênio 2020-2021, e ganhou mais força em razão das severas restrições decorrentes da pandemia da COVID-19, sobretudo em razão da necessidade de isolamento social e as cautelas adotadas para frear a propagação do novo coronavírus.

Juiz auxiliar da Corregedoria, Cristiano Mazzini ressalta que o PJe Criminal vai além do trâmite eletrônico processual mais rápido. “O PJe Crim é ambientalmente correto por não haver gasto de papel, traz agilidade na remessa dos autos às partes e possibilita consulta integral online do processo. Além disso, traz segurança aos servidores, partes e demais integrantes da Justiça, já que facilita o home office, sem risco sanitário”, pontuou o magistrado.

.

PJE criminal 1

PJe Crim traz agilidade na remessa dos autos às partes e possibilita consulta integral online do processo

Na comarca de Cacoal, o juiz Ivens dos Reis, titular da 2ª Vara Criminal, que inaugurou o novo sistema, diz que sempre foi entusiasta do processo eletrônico e a ideia de implementar a virtualização dos processos criminais aliada às urgências advindas da pandemia fizeram com que a iniciativa tomasse corpo.

O juiz acredita que a unidade terá o mesmo resultado positivo que já existe na esfera cível, já que a virtualização das ações penais trará economia de tempo e recursos, além de mais segurança e transparência no tramitar dos feitos. A maior liberdade de todos os atores do processo na realização dos seus afazeres também é um fato a ser destacado.

“Agradeço à Corregedoria pela confiança em iniciar esse projeto em Cacoal. Mesmo com as medidas de distanciamento adotadas no âmbito do PJRO percebemos que as serventias com processos digitais não só mantiveram o ritmo de trabalho, mas apresentaram um acréscimo de produtividade”, pontuou o magistrado.

 Treinamento PJe PRF

Treinamentos ministrados pela STIC foram realizados 100% remoto via Google Meet.

O corregedor-geral da Justiça, desembargador Valdeci Castellar Citon, agradeceu a todos os envolvidos por tornar o processo criminal eletrônico uma realidade e ressaltou a atuação do juiz auxiliar administrativo da CGJ, Cristiano Mazzini, que coordenou o processo e foi o interlocutor entre os parceiros. A Corregedoria contou com o apoio expressivo da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação (STIC), responsável pelo desenvolvimento do módulo, homologação dos resultados e treinamento das varas que receberam o PJe Criminal. As comarcas foram dividas em 3 grupos para o treinamento entre gabinetes e cartórios. Além das unidades judiciárias, a STIC também ofereceu treinamento à Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Polícia Militar (PM), Polícia Civil e Polícia Ambiental. Os treinamentos foram 100% remoto via Google Meet. 

Também foram feitas tratativas com o Ministério Público de Rondônia (MP-RO), Defensoria Pública de Rondônia (DPE-RO) e Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Rondônia (OAB-RO).

Assessoria de Comunicação Institucional

 
 

Propaganda do ar

Como você avalia a gestão do Governo Marcos Rocha?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
airton

airton

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site