TEMER SANCIONA LEI QUE CRIA SEMANA DE COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

24x31 banner gov

O presidente Michel Temer sancionou, nesta segunda-feira (27), a lei que cria a Semana Nacional pela Não Violência contra a Mulher. O texto foi aprovado pelo Congresso Nacional em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março.

A lei é de autoria do deputado Chico Lopes (PCdoB-CE) e estabelece que a campanha de conscientização deverá ocorrer todos os anos na última semana de novembro.

As atividades envolvem palestras, debates e seminários públicos sobre a violação dos direitos das mulheres. Os eventos deverão ser promovidos pelo governo, em parceria com organizações da sociedade civil.

Essa foi mais uma medida para combater a violação dos direitos da mulher, em linha com a prioridade conferida à promoção da igualdade de gênero pelo governo federal.

Heroína da Pátria

O presidente também sancionou, nesta terça-feira (27), as leis que determinam a inscrição dos nomes de Clara Camarão e Antonia Alves Feitosa no Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria, depositado no Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, em Brasília.

Clara Camarão foi uma índia potiguar líder de mulheres guerreiras que combateram os holandeses na Batalha dos Guararapes, em 1648.

O nome foi dado à índia ao se batizar e casar com Antônio Felipe Camarão, índio Poti herói da guerra contra os holandeses. Depois de casada, Clara passou a acompanhar o marido em todos os combates.

A guerreira rompeu a secular divisão de trabalho da tribo ao se afastar dos afazeres domésticos para participar de batalhas. Dominava o arco e flecha, a lança e o tacape.

Como não podia lutar lado a lado com o marido, proibição imposta pelos costumes tribais, formou um pelotão de índias potiguares sob seu comando. Não há registro do local e data de sua morte.

Jovita Alves

Jovita Alves Feitosa foi voluntária nas tropas brasileiras durante a Guerra do Paraguai. Aos 17 anos de idade, se preparou para lutar na Guerra do Paraguai, apesar do machismo e das convenções sociais da época.

Conta-se que, disfarçada de homem, com os cabelos cortados e usando um chapéu de couro, foi à capital, onde se agrupavam os Voluntários da Pátria, alistar-se para ir à guerra. Antes de partir foi descoberta e proibida pelo então Ministro da Guerra, Visconde de Cairú, de compor a frente de combate.

Decepcionada, Jovita instalou-se no Rio de Janeiro, caiu em profunda depressão e suicidou-se com uma punhalada no coração aos 19 anos de idade.

Fonte: Portal Brasil, com informações da Agência Brasil, do Senado Federal, da Câmara dos Deputados e do Governo do Rio Grande do Norte

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
airton

airton

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site