Ex-ministro Milton Ribeiro é preso em operação “Acesso Pago” da Polícia Federal

A Polícia Federal realiza neste momento a operação “Acesso Pago”, que tem como alvos, principalmente, o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e dois pastores suspeitos de montar um gabinete paralelo para liberação de verbas do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), dentro do MEC. Além do ex-ministro, os mandados de prisão são contra os líderes religiosos Gilmar Santos e Arilton Moura. Há suspeita de cobrança de propina.

O ex-ministro foi localizado e preso preventivamente em Santos, no litoral de São Paulo. Contra ele, são citados os crimes de corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência. Milton Ribeiro será levado para a Superintendência da Polícia federal em Brasília. A audiência de custódia está marcada para a tarde de hoje.

Os mandados de prisão (quatro ao todo) foram autorizados pelo juiz federal Renato Borello, da 15ª Vara Federal Criminal da Seção Judiciária do Distrito Federal. O magistrado também autorizou o cumprimento de 13 mandados de busca e apreensão. As equipes da PF atuam em São Paulo, Goiás, Pará e Distrito Federal.

A investigação, com base em documentos, depoimentos e relatório final da investigação preliminar sumária, teve autorização do Supremo Tribunal federal (STF) porque um dos alvos da operação tem foro privilegiado. O inquérito foi aberto após uma reportagem do jornal “O Estado de S. Paulo” denunciar que dentro do Ministério da Educação, sob a gestão de Milton Ribeiro, mantinha um “gabinete paralelo” controlado por pastores.

A defesa do ex-ministro da Educação ainda não se pronunciou sobre a prisão dele.

*Com informações de agência Brasil

Governo 10.06.2022 PI 37425

COMO VOCÊ AVALIA A GESTÃO DA PREFEITA CARLA REDANO EM ARIQUEMES?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site