Funcionário dá cadeirada em assaltante para impedir roubo na Capital; veja vídeo

24x31 banner gov
blank

Uerlisson Lessa, o funcionário que ficou conhecido por impedir um assalto ao dar uma cadeirada contra o suspeito, recebeu o título de “Funcionário do Mês” na padaria onde trabalha em Porto Velho. A “premiação” foi feita neste fim de semana, após centenas de pedidos de internautas.

A tentativa de roubo aconteceu na última quinta-feira (23), e o vídeo da câmera de segurança que viralizou nas redes sociais mostra o momento que o suspeito aborda a funcionária do caixa e passa a pegar dinheiro. Nesse momento, Uerlisson pega uma cadeira de madeira, chega por trás do suspeito e dá um golpe na altura das costas e da cabeça

Segundo a padaria, a balconista que aparece no vídeo sendo roubada é a esposa de Uerlisson. Uma funcionária contou à polícia que o suspeito entrou na padaria se passando por cliente, pegou pães e, no momento de pesar a sacola no caixa, mostrou parte da arma que carregava para a atendente e anunciou o assalto. Após levar a cadeirada, o suspeito acabou sendo imobilizado e detido pelos funcionários.

Em entrevista, o proprietário da padaria, Henderson Cahú, disse que a categoria “funcionário do mês” não existia na empresa. No entanto, depois de o vídeo viralizar e a pedidos de internautas, decidiu fazer uma homenagem ao trabalhador.

“Nos não temos essa situação de funcionário do mês por aqui. Mas, após o ocorrido, vimos nas redes sociais muitas pessoas falando que ele deveria ser o funcionário do mês. Resolvemos fazer isso”, afirmou Henderson.

Nas redes sociais, em tom de brincadeira, a padaria escreveu a mensagem: ‘O terror dos assaltantes de pvh [Porto Velho]! Quer levar uma cadeirada?’

Desde que o vídeo viralizou, vários memes surgiram nas redes sociais.

 

 

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site