Fusão com DEM e adesão de governador ao PSL criam um “nó político” na sucessão em RO deixando senador em xeque; vilhenense comenta

24x31 banner gov
blank

A notícia da filiação do governador de Rondônia ao PSL, legenda pela qual ele chegou ao cargo nas eleições de 2.018, aliada à perspectiva praticamente confirmada da fusão do partido com o DEM acabaram gerando um panorama de dúvida acerca das eleições estaduais do próximo ano.

Isso porque com a composição que se configura o partido resultante da junção das duas agremiações acabará tendo dois pretensos candidatos ao governo: o próprio Rocha, que entrou no partido na condição de concorrer à reeleição, e o senador Marcos Rogério, cacique do DEM rondoniense, que também é anunciado aos quatro ventos como postulante ao Executivo de Rondônia.

Para tentar “desatar o nó”, a reportagem conversou na noite desta quarta-feira, 22, com o agora vice-presidente do PSL do Estado, o vilhenense Evandro Padovani, e com a assessoria de comunicação do senador Marcos Rogério, em Brasília.

Padovani explicou que o projeto do PSL rondoniense vem sendo construído ao longo dos últimos meses, tendo se intensificado no período em que ele presidiu o diretório, e sempre teve como projeto trazer de volta o governador Marcos Rocha para concorrer à reeleição pelo partido.

“Desde o início eu sempre o convidei para ingressar de novo no partido, para que a gente construísse aqui o projeto de pré-candidatura a reeleição, e agora que ele aceitou é natural que eu cedesse a presidência a ele, e ficasse como vice. Estamos cientes das negociações em Brasília para a fusão do PSL com o DEM, mas adianto desde agora que teremos candidato ao governo, e ele é Marcos Rocha”, frisou.

Por outro lado, a assessoria do senador em Brasília informou que Marcos Rogério está participando ativamente das negociações para a fusão dos partidos, sendo favorável a iniciativa, tendo feito parte de encontro de dirigentes nacionais dos Democratas.

“Ontem o senador Marcos Rogério participou da reunião da Executiva, onde houve a deliberação para o início das tratativas de fusão dos dois partidos. O senador concordou com as tratativas para a fusão. Quanto a questão da filiação do governador, por enquanto ele não vai se manifestar”, informou a assessoria, deixando evidente que a questão local será tratada num segundo momento.

Nos bastidores políticos do Estado circulam conversar no sentido de se prestar atenção a movimentação do senador Confúcio Moura, do MDB, que afastou-se do cargo e pode disputar as eleições ao Executivo estadual, pois esta jogada poderia ter como desdobramento eventual adesão de Rogério ao partido. Também se fala na possibilidade de Marcos migrar para o PSD, onde poderia compor chapa majoritária com Expedito Junior, de quem o senador anda bastante próximo desde o início do ano.

Em resumo, a partir dos próximos dias, quando houver o desfecho da fusão entre DEM e PSL, certamente o tabuleiro da sucessão estadual em Rondônia terá movimentação importante.

Fonte Extra de rondonia/ Alerta Rondônia

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site