ACUSADOS DE TENTATIVA DE LATROCÍNIO CONTRA ADVOGADO RECORREM E TÊM PENA MAJORADA PELO TJRO

24x31 banner gov

Dois homens acusados de ter praticado o crime de tentativa de latrocínio (roubo e tentativa de homicídio) contra um advogado tiveram a pena de reclusão majorada pela 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia. Alexandre Gonçalves de Lima Alves teve a pena elevada de 12 anos e 6 meses para 20 anos de reclusão, e a pena de Adriano Soares Campos foi majorada de 13 para 18 anos, 4 meses e 24 dias de reclusão. Ambos cumprirão a pena em regime fechado, inicialmente.

Consta que no dia 11 de abril de 2016, no período da noite, os réus Alexandre Gonçalves, Adriano Soares e Leonardo Pereira de Souza (o Nego Léo), os dois primeiros portando arma de fogo e o terceiro armado com um facão, invadiram a residência da vítima, o advogado Manoel Flávio Médici Jurado, com o objetivo de roubar.

Durante o assalto, os acusados levaram o advogado e sua esposa para um quarto, onde as vítimas ficaram sob a mira de Leonardo, enquanto os demais assaltantes vasculhavam a casa em busca de objetos. No momento de descuido do réu Leonardo Pereira, a vítima, o advogado Flávio Jurado, pegou um revólver de sua escrivania, porém o assaltante percebeu e logo efetuou um tiro que acertou a nuca da vítima, o qual mesmo ferido, lutou com “Nego Léo”; ocasião em que foi atingido por mais dois tiros. Mesmo ferido conseguiu revidar com disparos contra o Nego Léo, que morreu no local.

Consta que após Adriano Soares e Alexandre Gonçalves fugiram depois da troca de tiros. E a vítima, Manoel Flávio, teve atendimento médico rápido e sobreviveu, mas ficou 8 dias na unidade de tratamento intensivo.

Insatisfeitos com a condenação em 1º grau, os réus Alexandre Gonçalves e Adriano Soares ingressaram com apelação para o Tribunal de Justiça, pedindo a desclassificação do crime de latrocínio para roubo simples. Já o Ministério Público pediu o redimensionamento da pena aos acusados. Diante das provas contidas nos autos, as apelações dos réus foram negadas e a do Ministério Público foi provida, com a majoração da pena de ambos.

Participaram do julgamento os desembargadores Valter de Oliveira, Daniel Ribeiro Lagos e José Jorge Ribeiro da Luz. A Apelação Criminal n. 0005991-61.2016.8.22.0501, foi julgada nessa quinta-feira, 30.

Fonte: tjro
Postado por Izabella Coelho – DRT 1587/RO

blank

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
airton

airton

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
almicoe[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site