Bolsonaro quer obrigar presos a trabalharem para pagarem suas despesas&#63

Quando se candidatou presidente do Brasil, Jair Bolsonaro avisou que a vida dos criminosos ia ficar mais complicada. Neste final de semana, no entanto, os fãs do presidente divulgaram uma informação que mais parece uma verdadeira revolução no sistema carcerário. 

A notícia dizia que, a partir de agora, Bolsonaro usaria o sistema chinês de penitenciárias, em que os presos são obrigados a trabalharem. Quem não trabalhar fica sem insumos, recebendo apenas o básico para a sua sobrevivência. 

A foto da matéria trazia presos costurando e fazendo artigos de construção, como tijolos de cimento. Muitos fãs comemoraram e chegaram a dizer que a  “vagabundagem” daria uma trégua. Até uma suposta fala de Bolsonaro é revelada na notícia. O líder do PSL teria dito um sonoro “vão ter que trabalhar“.

A notícia ganhou ainda mais ênfase após, em dezembro, Jair Bolsonaro dizer que não daria mais o famoso indulto de Natal durante a sua gestão. Isso acabou até mudando as decisões de Michel Temer, que pretendia praticar o indulto.

Apesar da situação até parecer sonora com as ideias do presidente do Brasil, não há registros oficiais de que ele realmente tenha proposto a obrigatoriedade do trabalho na cadeia.

Isso foi mais um conteúdo que ganhou espaço entre os fãs do político. Ou seja, a matéria é a chamada ‘Fake News’, que mistura fatos reais com informações falsas ou sem fontes possíveis de comprovação.

A ideia de colocar detentos para trabalharem já até existe no Brasil, mas eles não são obrigados a isso. Em alguns casos, recebem dinheiro pelo serviço e, em outros, têm até a pena reduzida, quando possuem um comportamento razoável na cadeia. 

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
airton

airton

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

[banner group='acima-de-politica']