Funcionária que contestou plano de voo teria pedido asilo no Brasil

24x31 banner gov

Os desdobramentos da investigação das causas da queda do avião que levava a delegação da Chapecoense e jornalistas para Medellín trouxeram mais um episódio. Responsável por questionar o plano da companhia aérea LaMia antes do acidente com a aeronave, Celia Castedo Monasterio chegou ao Brasil, onde cogita pedir algum tipo de proteção, como refúgio, ou asilo, segundo informações do Globoesporte.com. Celia é funcionária da Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares de Navegação Aérea da Bolívia (Aasana).

Em nota divulgada nesta terça-feira, o Ministério Público Federal (MPF) de Corumbá (MS) informou que Celia Castedo Monasterio se apresentou no dia anterior à sede do órgão para saber os detalhes sobre a proteção do Brasil:

“A Secretaria de Cooperação Internacional da Procuradoria-Geral da República vai solicitar aos órgãos federais competentes as medidas cabíveis, conforme as normas internacionais e o direito brasileiro”, informou o órgão em comunicado.

Porém, nem o MPF nem o advogado que acompanha Celia detalharam as razões pelas quais a funcionária procurou as informações. O comunicado aponta apenas que o Ministério Público da Bolívia a suspendeu por suposta negligência, sob acusação de “descumprimento de seus deveres” e “atentado contra a segurança dos transportes”.

Celia havia feito várias observações sobre o plano de voo da LaMia. Após o acidente, a funcionária divulgou um relatório no qual afirmou que suas observações não foram atendidas pela empresas e, apesar dos alertas, a Aasana autorizando o voo.

Celia teria sinalizado que a autonomia de voo não era a adequada, e apontava a necessidade de mudanças. A observação que mais a teria preocupado era em relação ao tempo de voo previsto entre Santa Cruz de la Sierra e o Aeroporto de Medellín (4h e 22 minutos), que era o mesmo registrado para a autonomia de combustível da aeronave. A queda do avião culminou na morte de 71 pessoa

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
airton

airton

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site