Bolsonaro ironiza Faria Lima, critica mercado “nervosinho” e avisa que vai aumentar de novo os combustíveis

Propaganda do ar
blank

Depois de estourar o teto de gastos, Jair Bolsonaro critica investidores e reforça sua aposta no caos econômico e na destruição do País.

 

Jair Bolsonaro decidiu ignorar as pressões da Faria Lima. “Ao comentar sobre a proposta de oferecer o pagamento de R$ 400 a cerca de 750 mil caminhoneiros para compensar a alta do preço dos combustíveis, Bolsonaro disse que o mercado fica ‘nervosinho’ e afirmou que deverá ocorrer novo reajuste do preço dos combustíveis”, aponta reportagem do jornalista Dimitrius Dantas, no Globo.

 

“Nos últimos dias, o mercado reagiu com pessimismo à direção adotada pelo governo, que decidiu alterar as regras do teto de gasto para custear um benefício de R$ 400 aos beneficiários do Auxílio Brasil, programa social que irá suceder o Bolsa Família a partir de novembro”, aponta ainda o jornalista. Saiba mais:

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira que o governo irá cumprir o teto de gastos no pagamento do novo Bolsa Família porque não quer desequilibrar as finanças, e manifestou o desejo que as reformas econômicas continuem caminhando no Congresso Nacional.

 

Na tradicional transmissão semanal ao vivo pelas redes sociais, Bolsonaro argumentou que a decisão de conceder benefício a famílias de baixa de renda de, no mínimo, 400 reais, respeitará o teto, em um dia marcado por tensão no mercado financeiro por temores com a responsabilidade fiscal.

“Nós temos um teto de gastos… e nós, por que buscamos cumprir o teto de gastos? Porque não queremos desequilíbrio nas finanças do Brasil. Havendo desequilíbrio, a inflação explode, todo mundo perde com isso”, disse o presidente na live.

Ao afirmar que há espaço orçamentário para a concessão do Auxílio Brasil, que terá um adicional temporário para chegar aos 400 reais, Bolsonaro comemorou a aprovação do texto-base da PEC dos Precatórios em comissão especial da Câmara e parabenizou o Congresso por dar “o primeiro passo”.

 

O parecer da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) foi adaptado para abrir um espaço fiscal de mais de 80 bilhões de reais em 2022.

A solução para cumprir os 400 prometidos pelo presidente para o Auxílio Brasil partiu da ala política do governo, deixou para trás o ministro da Economia, Paulo Guedes, e um teto de gastos fragilizados.

Gestada no Palácio do Planalto pelo ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, a proposta nem mesmo passou pelos cálculos da equipe econômica. Fontes da área econômica ouvidas pela Reuters afirmaram que nem mesmo os números usados pelo relator da PEC dos Precatórios, deputado Hugo Motta (Republicanos-PB), foram analisados no Ministério da Economia.

 

Diante da situação, e da péssima repercussão no mercado, o secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, e o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, pediram exoneração de seus cargos, marcando uma debandada do primeiro escalão do Tesouro em meio à sinalização do governo de que iria desrespeitar a regra do teto de gastos.

Os secretários vinham defendendo publicamente que a estruturação do novo programa de transferência de renda deveria ficar dentro do teto.

“Tem secretário, como acontece às vezes de ter um ministro, tem secretário que quer fazer valer a sua vontade. Então o ministro deu uma decisão: ‘Vamos gastar dentro do teto, porque as reformas continuam’. A gente espera que a reforma administrativa continue, a tributária continue, como foi feita a Previdência no passado, como foi feita aquela da CLT no governo Temer, continuem”, afirmou Bolsonaro, sem citar nomes ou dar detalhes.

 

A confirmação de que o governo planeja driblar o teto de gastos para financiar seu programa de auxílio social ditou uma piora generalizada das perspectivas econômicas do país e levou o principal índice de ações brasileiras a fechar nesta quinta-feira na mínima desde novembro.

Ao mencionar a reação do mercado financeiro ao longo do dia, o presidente disse que o mercado ficou “nervosinho”.

“Se vocês explodirem a economia do Brasil, pessoal do mercado, vocês serão prejudicados também”, afirmou.

Bolsonaro rebateu, ainda, críticas ao fato de boa parte dos 400 reais de auxílio ter duração limitada, até dezembro de 2022 — ano da eleição presidencial.

“Aí falam que é eleitoreiro. Seja o que for, eleições é o ano que vem”, disse.

 

CANPANHA DE 13.11.2021 GOV DE RONDONIA

Como você avalia a gestão do Governo Marcos Rocha?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site