“Deveria ter esfaqueado mais”, diz mulher que torturou marido

Propaganda do ar
blank

Uma contadora de 66 anos confessou em júri que esfaqueou o marido até a morte, após anos de violência doméstica, no Reino Unido. O caso aconteceu no dia 13 de fevereiro, mas estava em segredo de Justiça e só foi revelado esta semana, com início do julgamento. Em imagens divulgadas pela polícia, logo após o crime, Penelope Jackson aparece dizendo que espera que o marido “tenha morrido”.

De acordo com o The Guardian, no depoimento da mulher, o marido a espancou por diversas vezes e, em determinada ocasião, colocou uma faca no pescoço dela. Além disso, a ré disse que o ex-tenente-coronel David Jackson, 78, uma vez lhe deu uma cabeçada quando voltava para casa e a jogou escada abaixo durante uma celebração do Dia das Mães no refeitório de um oficial.

“Sempre começava com ele sendo verbalmente agressivo. Sempre foi sobre eu ser desleal e ele dizia: ‘Você nunca me amou mesmo’. Ele me chamava de ‘coisa’ como se eu não fosse uma pessoa”, disse a mulher durante julgamento.

A mulher continuou e disse que a situação só piorava com o passar do tempo. “Ele me sacudia a maior parte do tempo, às vezes me estrangulava e às vezes eu ficava inconsciente. Outras vezes, ficava semiconsciente, na cama ou no chão e, se ele estivesse com muita raiva, me chutava”.

Ela disse que uma vez o marido a agarrou pelo pescoço durante um café e em outra ocasião a sufocou até que ela ficou inconsciente após uma disputa sobre uma tábua de queijos. Ela disse que se ela não quisesse sexo, “ele colocaria as mãos na minha boca e nós faríamos sexo”.

Dia do crime
A própria mulher chamou a polícia. Em imagens divulgadas no final do caso da acusação, Jackson diz aos policiais: “Eu admito tudo”. Ela diz que seu marido está no chão da cozinha de seu bangalô em Somerset. Jackson diz que “não há nada desagradável”, antes de acrescentar: “Com alguma sorte, vocês chegarão tarde demais”.

Um pouco depois, Jackson responde aliviada com “que bom” após ser informada que está sendo presa por assassinato e, assim, descobrindo que o marido estava morto.

Enquanto estava no telefone com a polícia, Jackson pode ser ouvida dizendo ao atendente: “Posso ir e esfaqueá-lo novamente”. O profissional da chamada pede que ela não faça isso, e Jackson continua: “Estou na sala, ele está na cozinha sangrando até a morte com alguma sorte”.

Questionada sobre quantas vezes ela o esfaqueou, Jackson diz uma vez. “E então ele disse que eu não faria isso de novo, então fiz mais duas vezes”. Jackson também diz que pensou ter esfaqueado o coração do marido, mas acrescenta: “Bom, ele não tem um”.

As autoridades correram para a casa e a filmagem da câmera mostra um policial gritando: “Traga a ambulância imediatamente – precisamos de RCP”. Jackson diz: “Não, não, não, por favor, não”, e acrescenta que ela “deveria ter esfaqueado ele um pouco mais”.

O julgamento ainda continua no Reino Unido, sem data para acabar ou uma sentença definida.

CANPANHA DE 13.11.2021 GOV DE RONDONIA

Como você avalia a gestão do Governo Marcos Rocha?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site