Devido à recomendação de três promotoras de Justiça, Assembleia suspende contratação de ambulâncias e cestas básicas

Propaganda do ar

O presidente da Assembleia Legislativa, Laerte Gomes (PSDB), suspendeu a contratação de UTIs móveis para o transporte de pacientes com covid-19 em Rondônia. Ele também anunciou a suspensão do chamamento público para a aquisição de 30 mil cestas básicas que seriam distribuídas a famílias carentes durante a quarentena decretada devido a pandemia de coronavírus no Estado. O aluguel das ambulâncias e os gêneros alimentícios seriam pagos com parte dos R$ 50 milhões economizados pela Casa de Leis em pouco mais de um ano.

O deputado Laerte Gomes tomou essa decisão após receber o ofício SEI nº 674/2020/GAB-PGJ, assinado pelas promotoras de Justiça Emília Oiye, Flavia Barbosa Shimizu Mazzini e Joice Gushy Mota Azevedo. No ofício elas dizem reforçar a preocupação “em não obstar nenhuma ação de socorro à população do Estado de Rondônia, contudo, sem deixar de resguardar a ordem jurídica e proteger princípios e normas balizadores do regime democrático de direito”.

No ofício, as três promotoras também alertam para uma nota técnica, onde tecem diversas considerações, explicando a impossibilidade de aquisições públicas de produtos e serviços diretamente pelo Poder Legislativo, com recurso próprio, decorrentes de sobras de orçamento. Elas citam que em alguns Estados, deputados destinaram recursos para a saúde, mas através de emendas parlamentares.

Na nota técnica, é citado que “a postura adotada pela ALE/RO frente à situação vivenciada é deveras altruísta, demonstra solidariedade e profunda preocupação com os cidadãos rondonienses”. Mas cita também a “violação ao sistema de tripartição de Poderes”. A alegação é a de que, em relação à Assembleia Legislativa, “em nenhum momento lhe é dada permissão para executar diretamente políticas públicas ou nelas interferir fora do plano fiscalizatório, sequer em cenário de crise ou calamidade”.

Outro ponto citado na nota técnica foi a veiculação de notícias da contratação de leitos no Hospital do Amor, em Porto Velho. Foi divulgado pela imprensa que a Assembleia Legislativa empenhou R$ 10 milhões de dinheiro economizado de seu orçamento para que o Governo assinasse um termo de fomento com a direção do hospital e pudesse ter disponível durante cinco meses 12 leitos em UTI e mais 49 leitos normais. Esses leitos já estão disponíveis para os doentes.

Em relação ao Hospital do Amor, que de acordo com as promotoras não deveria ter sido contratado de tal forma, com os recursos assegurados pela Assembleia, a nota técnica cita que “ainda que se trate de uma atitude louvável, a maneira como foi feita subtrai função – típica – constitucionalmente atribuída ao Poder Executivo, qual seja, executar política pública”.

Propaganda do ar

Como você avalia a gestão do Governo Marcos Rocha?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
alertarondonia

alertarondonia

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site