Empresário denuncia funcionárias que usavam PIX pessoal para furtar loja e dar 60% de desconto a clientes na Capital

24x31 banner gov
blank

Um empresário de Porto Velho decidiu denunciar três funcionárias à Polícia Civil após descobrir um prejuízo de aproximadamente R$ 40 mil. De acordo com polícia, as empregadas ofereciam descontos de até 60% aos clientes para pagamentos por meio de PIX, utilizando o CPF delas para o recebimento e não o CNPJ da empresa.

Em entrevista ao g1, a delegada Fabiana Moreira, responsável pelo caso, informou que o empresário de uma loja da capital procurou a delegacia após ser alertado por uma cliente sobre um ‘alto’ desconto ao comprar um produto no estabelecimento.

“Essa cliente achou estranho o fato da funcionária pedir para que ela transferisse o dinheiro por aplicativo em um CPF e não para o CNPJ da loja. Foi quando se descobriu um esquema dentro da loja”, afirma a delegada.

Esse esquema envolvia três funcionárias do estabelecimento, que, segundo a delegada, recebiam o dinheiro dos clientes e faziam a divisão dele entre elas. Uma das empregadas envolvida no esquema estava na firma há mais de três anos.

A delegada ainda destaca que os descontos (sem autorização do empresário) eram oferecidos como uma forma de “incentivo” para os clientes efetuarem a compra pelo PIX, usando o CPF das empregadas como a chave de transferência.

“Às vezes o cliente queria pagar no cartão de crédito e elas ofereciam um super desconto com pagamento através do Pix. Eram descontos de até 60%“, revelou a delega

Quanto aos clientes que insistiam em pagar pelo cartão de crédito, de acordo com a delegada, as suspeitas, discretamente antes de finalizar o pagamento na maquininha, faziam a retirada do cartão.

“Saía o canhoto com a informação de que não havia sido efetuado o pagamento. Mas muitos de nós nem pegamos mais esse comprovante. Depois disso, elas entravam em contato com os clientes e informavam que a compra não havia sido efetivada e ofereciam, então, o PIX com desconto como solução”, conta a delegada Fabiana.

Com levamento feito pela empresário, após descobrir o esquema, foi possível detectar um prejuízo de aproximadamente R$ 40 mil. O esquema feito pelas funcionárias acontecia desde outubro de 2020.

Esse crime, de acordo com a delegada, se enquadra em furto qualificado, mas é possível ainda ser enquadrado como associação criminosa, pois havia o fim da prática do crime

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site