Presidente Bolsonaro cumpre promessa com seu eleitorado e veta o Fundão da Vergonha. Oposição fica surpresa e frustrada!

24x31 banner gov
blank

Com a decisão do Presidente Bolsonaro de vetar o Fundo Eleitoral
que passou dos atuais 2 para 5,7 bilhões em votação realizada há
quase 1 mês por deputados e senadores, o eleitorado de Bolsonaro
venceu a pressão nas Redes Sociais. Bolsonaro devolve a bomba
para o Congresso e a responsabilidade por esse assalto aos
brasileiros não será mais dele. A oposição e críticos do Presidente
não acreditavam que ele tomasse tal medida, frustrando-os. Enfim,
promessa cumprida pelo Presidente para todos nós!
Matéria na íntegra.

O Presidente Jair Bolsonaro honrou seu compromisso de campanha
eleitoral, ainda em agosto de 2018, ou seja, há exatos três anos e
vetou hoje, o Fundão da Vergonha. Bolsonaro, em tese, sempre foi
um dos críticos do repasse de dinheiro público para financiar
campanhas eleitorais de vereador a senador, de deputado a
governador; enfim, Bolsonaro cumpre aquilo que os seus eleitores
em especial vinham cobrando com tanta veemência e fadiga: o veto
de 5,7 bilhões para o Fundo Eleitoral.

Certo ou errado, o senhor Presidente fez a parte dele e joga a
responsabilidade unilateralmente aos deputados federais e
senadores. Com a decisão tomada no final da tarde desta sexta-feira,
20 de agosto, o veto do Fundo Eleitoral presente na LDO (Lei do
Orçamento da União) de 2022, cada deputado e senador arcará
perante os brasileiros se derrubarem o veto presidencial e assim
retomarem o Fundão da Vergonha do Brasil.

Bolsonaro em sua justificativa de veto argumenta que o valor do atual
Fundo Eleitoral de 2 bilhões deverá sofrer reajuste da inflação e não
triplicar como desejavam os deputados e senadores juntamente com
seus respectivos partidos políticos. Na última eleição geral de 2018
o valor gasto com os candidatos foi de 1,83 bilhão.

O Congresso Nacional, ou seja os senhores deputados e senadores
poderão rejeitar o veto de Bolsonaro, caso junte maioria nas duas
Casas (257 votos na Câmara dos Deputados e 41 no Senado
Federal). Neste caso, ele teria que promulgar a lei do mesmo jeito, o
que poderia ser feito também pelo presidente ou pelo vice-presidente
do Senado caso o chefe do Executivo se recuse.

Agora, a bomba está com os deputados e senadores! Partidos de
oposição e da esquerda ficaram calados com a decisão de Bolsonaro
ao vetar o Fundão, pois acreditavam que ele, o senhor Presidente
não tomaria decisão acertada O Fundo Especial de Financiamento
de Campanha (FEFC), mais conhecido como fundo eleitoral, é um
fundo público destinado ao financiamento de campanhas eleitorais
de candidatos políticos estabelecido pela lei nº 13.487, de 6 de
outubro de 2017, considerada uma minirreforma eleitoral. esperada
pelo seu eleitorado.

Por: Jornalista Victoria Angelo Bacon

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Fatima Coelho

Fatima Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site