ÍNDIO É INVESTIGADO POR SUSPEITA DE ABUSAR DA ENTEADA EM ALDEIA DE RO

24x31 banner gov

A Polícia Civil está investigando se um índio de 26 anos abusou sexualmente da própria enteada, de 12 anos, em uma aldeia indígena de Chupinguaia (RO), na região do Cone Sul. A vítima relatou à mãe que o padrasto tentou estuprá-la algumas vezes. A mulher procurou a Polícia Militar (PM) no sábado (4) e registrou um boletim de ocorrência. 

A menina contou que o padrasto estava tentando cometer os abusos há um tempo. Na ocasião, ela chegou a explicar que alguns dias atrás ele chegou a lhe mostrar o pênis. Já durante a noite de sexta-feira (3), a garota revelou que o homem esperou a companheira dormir e foi até sua cama.

Na abordagem, a vítima descreveu que o homem lhe deu um tapa no rosto e tocou suas partes íntimas. Em seguida o homem teria tapado a boca da menor com uma mão, enquanto usava a outra para tentar retirar a roupa dela.

A vítima disse que resistiu aos abusos e que o suspeito ficou com medo de alguém acordar e saiu do local. A mãe da garota revelou à polícia que a família sofre constantes ameaças e que já foi agredida pelo companheiro.

Após o registro da ocorrência, o homem foi encontrado em um bar e encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil de Vilhena (RO). Ele foi ouvido e negou todas as acusações. Conforme a delegacia, a menina passou por exame de corpo de delito, mas o laudo não foi conclusivo. A vítima não apresentava lesões de defesa, nem sinais de violência.

O homem foi liberado, porém, o caso foi encaminhado para Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente (DPCA), que apura o caso.

Conforme o artigo 213 do Código Penal, estupro é “constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso”.  A pena de reclusão é de seis a 10 anos.

De acordo com coordenação da Fundação Nacional do Índio (Funai), em Vilhena, o índio suspeito já está integrado à sociedade e deve responder ao crime como o homem branco. A Funai informou que o acompanhamento jurídico é disponibilizado aos indígenas que ainda estão em processo de integração ou para aqueles que têm seus direitos cerceados.

Postado por Izabella Coelho – DRT 1587/RO
Fonte: G1

blank

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
airton

airton

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site