EX-PREFEITO DE CUJUBIM E ESPOSA SÃO CONDENADOS POR ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

24x31 banner gov

O Ministrio Pblico do Estado de Rondnia, por meio de a�o civil pblica ajuizada pela Promotoria de Justia de Ariquemes, obteve a condena�o, por ato de improbidade administrativa, do ex-prefeito de Cujubim, Fbio Patrcio Neto, e sua esposa Brbara Carolina Frana Brito dos Santos, consistente na prtica de nepotismo.

De acordo com a a�o do MP, o ex-prefeito Fbio Patrcio Neto, valendo-se do cargo que ocupava, nomeou a esposa para ocupar o cargo comissionado de “Assessora de Assuntos Estratgicos” da Prefeitura Municipal de Cujubim, violando assim, o estabelecido pela Smula Vinculante n 13 (que estabelece casos de nepotismo). Aduziu que o cargo de Assessor de Assuntos Estratgicos n�o se trata de cargo poltico, mas de cargo administrativo, n�o podendo, portanto, ser ocupado pelo cnjuge do prefeito, por meio de nomea�o.
Na sentena, o Juzo condenou o ex-prefeito e a esposa, dentro das sanes previstas na Lei n 8.429/92 (Lei da Improbidade Administrativa). Eles foram condenados a proibi�o de contratarem com o Poder Pblico ou receberem benefcios fiscais ou creditcios, direta ou indiretamente, ainda que por intermdio de pessoa jurdica da qual seja scio majoritrio, pelo prazo de 3 anos.
Fbio foi condenado ainda ao pagamento de multa civil em valor monetrio correspondente a 10 vezes o valor da remunera�o percebida enquanto prefeito na poca da nomea�o realizada, ou seja, agosto de 2016, devendo os valores serem atualizados monetariamente a partir do trnsito em julgado na forma da Tabela Prtica do TJRO e, acrescidos de juro no valor de 1%ao ms. J Barbara foi condenada ao pagamento de multa civil fixada em cinco vezes o valor da remunera�o percebida enquanto assessora de Assuntos Estratgicos. Ainda cabe recurso da sentena.

Fonte: Ascom MPRO

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
airton

airton

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site