SEQUESTRO DE MÃE E FILHA APÓS ROUBO DE HILUX MOBILIZA CIDADE E PM DE FOLGA CONSEGUE INTERCEPTAR VEÍCULO EM PORTO VELHO

24x31 banner gov

Uma mulher de 40 anos e uma criança de um ano e sete meses foram mantidas privadas de liberdade durante um roubo de uma caminhonete na noite de segunda-feira (17) em Porto Velho. O sumiço de mãe e filha ganhou imediata repercussão nas redes sociais, e uma mega mobilização se iniciou na cidade.

Segundo a Polícia Militar (PM), criminosos planejaram o crime com o intuito de levar algum veículo para Guajará-Mirim (RO). Quando estavam na Zona Sul, eles decidiram render uma caminhonete Hilux, que era conduzida pela mulher.

Os suspeitos, armados, não permitiram que a motorista descesse do veículo e fugiram levando a mãe e bebê. Logo depois do roubo, um dos criminosos ligou para o esposo da vítima e pediu R$ 8 mil de resgate.

A polícia então soube do assalto com desaparecimento de vítimas e os familiares, utilizando as redes sociais, começaram a pedir ajuda para localizar mãe e filha.

Sem farda policial

Após saber pelo WhatsApp que uma mãe e uma criança tinham sido levadas por criminosos, um policial militar de folga ficou comovido e chamou a esposa para dar uma volta de carro, no bairro, no intuito de ver alguma movimentação suspeita ou se encontrava a Hilux roubada.

No caminho, o policial também passou na casa de um amigo PM, que também os acompanhou na busca por mãe e filha. Enquanto, trafegavam pelas ruas do bairro Monte Sinai, na rua Genebra, o policial de folga viu a possível caminhonete roubada.

Inicialmente não foi possível ver a placa, e então o policial pediu para a esposa acelerar o carro e chegar mais perto da caminhonete. O PM então conseguiu confirmar que se tratava do mesmo veículo roubado com mãe e filha.

Diante da confirmação, o agente de folga fez o contato com um terceiro policial, de plantão no grupo “Tático”.

Enquanto o policial de folga avisava o colega de plantão, o suspeito na Hilux percebeu que estava sendo seguido e acelerou para tentar fugir.

Em alta velocidade, o criminoso que conduzia a caminhonete perdeu o controle do veículo e colidiu com uma árvore na calçada.

blank

O suspeito então desceu da caminhonete e começou a atirar contra o policial de folga, que revidou com quatro disparos enquanto tentava fugir. O suspeito, segundo o PM, logo depois pulou um muro, o que dificultou saber para onde ele tinha ido.

A esposa do policial ouviu os disparo, manobrou o carro e saiu do local. Instante depois, ela encontrou uma guarnição de PM e informou sobre a troca de tiros entre seu marido e o suspeito do roubo.

A viatura que ela manteve contato era CPOC e, após ouvir o relato, um PM tentou cercar o assaltante indo pela rua logo atrás do muro que ele tinha pulado.

Enquanto isso, o policial de folga esperou alguns instantes para ver se as vítimas desciam da caminhonete, caso estivessem lá dentro, mas ninguém desceu. Ele decidiu se aproximar, com cautela, e constatou que o veículo estava vazio.

Diante daquela situação, ele enviou mensagens nos grupos de WhatsApp para pedir apoio e várias viaturas começaram a chegar.

No interior da caminhonete foi encontrado um celular e, na tela de proteção do aparelho, havia a foto de um homem, que depois foi confirmado pelos policiai como sendo o suspeito do roubo. A foto do suspeito foi publicada em grupos de WhatsApp na tentativa de localizá-lo.

Nesse momento, a guarnição da PM recebeu a informação pelo CIOP de que a mulher e a criança desaparecidas estavam em uma residência.

Relato da vítima aos policiais

Em contato com a mulher, no endereço informado pelo Ciop, a vítima disse aos policiais que por volta das 19h45 foi deixar a bebê na casa da nora. Nesse momento ela foi surpreendida por dois homens armados.

Sob ameaça e com medo de que os suspeitos fizessem algo “ruim” para a criança de 1 ano, ela se manteve calma, e eles então levaram as duas dentro da caminhonete.

A vítima disse aos policiais que, durante o percurso, ela ouviu que os suspeitos estavam em deslocamento para o Residencial Orgulho do Madeira para pegar outro homem, onde este levaria a caminhonete da vítima para Guajará-Mirim. Porém, não tiveram sucesso no plano inicial.

Os suspeitos, segundo a mulher, pararam em uma conveniência na rua Plácido de Castro e depois retornaram sentindo Zona Sul. Ao chegarem em um local com muito mato e terra, um dos suspeitos ordenou que a vítima se sentasse junto da filha. Depois de rodarem por mais de 1h30 pelas ruas, eles as soltaram.

A mulher disse que logo em seguida, na rua Magno Arsolino, encontrou com uma mulher que a ajudou e ofereceu a casa para ela ficar com a criança e se acalmar.

Regaste de R$ 8 mil

Enquanto a polícia não havia sido informada sobre a situação das vítimas, de acordo com o boletim de ocorrência, o esposo da mulher recebeu uma ligação no celular dele, onde um dos suspeitos pediu o valor de R$ 8 mil para liberar a mulher e a criança.

Segundo relatou o marido à PM, o suspeito estava “transtornado” e ele então decidiu entregar seu celular ao enteado, para que continuasse a negociação com os suspeitos.

Enquanto o enteado estava na ligação, na Avenida Mamoré, outra viatura da PM abordou um homem que tinha as características semelhantes com a da imagem do protetor de tela do celular deixado no interior da Hilux. Diante da abordagem, de imediato, o suspeito confessou ter participação no crime.

Prisão

Foi acionado a equipe de pericia da Policia Civil para fazer a coleta de digitais do suspeito para comparação com as deixadas na caminhonete. Mas diante dos fatos, foi dado voz de prisão ao suspeito e também foi informado seus direitos constitucionais e apresentado na Central de Flagrantes para providencias cabíveis.

Na delegacia, o homem reconheceu a voz do suspeito preso como sendo quem exigiu o dinheiro pela liberação da esposa e da filha.

Por Jheniffer Núbia, G1 RO

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site