Caso de coronavírus em Rondônia segue sendo acompanhado pelo Ministério

Propaganda do ar

O Ministério da Saúde ainda não descartou o caso suspeito de coronavírus em Rondônia. A paciente monitorada é uma mulher de 43 anos que viajou ao Japão, em fevereiro, e durante o voo de volta, esteve no mesmo avião do paciente de São Paulo com diagnóstico já confirmado para coronavírus.

Rondônia entrou na lista de de estados suspeitos para COVID-19 no dia 2 de fevereiro, após a mulher de Porto Velho apresentar sintomas semelhantes ao da doença que já matou 3.557 pessoas em 95 países e territórios – de acordo com o levantamento do jornal The New York Times de sábado (7).

A previsão era que o exame da paciente ficasse pronto e fosse divulgado no sábado (7), mas a Secretaria de Estado de Saúde (Sesau) informou que houve uma prorrogação e o resultado deve sair apenas na segunda-feira (9).

No Brasil, até este domingo (8), já são 19 pacientes confirmados com coronavírus e há 674 casos suspeitos.

Por que a paciente de RO é considerada suspeita para coronavírus?

A moradora de Porto Velho veio do Japão em 20 de fevereiro, fez uma conexão em Paris e chegou ao Brasil no dia 22 do último mês.

Entre Paris e Guarulhos ela voou com um paciente infectado, confirmado pelo Ministério da Saúde. Cinco dias depois de desembarcar em Rondônia, a mulher começou a sentir sintomas como febre, dor de garganta, tosse, dor de cabeça e fraqueza.

Ela procurou o pronto atendimento Ana Adelaide, em Porto Velho, foi atendida e orientada a ficar em casa enquanto era acompanhada. Desde então, ela segue em isolamento domiciliar com visitas apenas de familiares mais próximos e profissionais de saúde.

No início de fevereiro, dois casos em Rondônia chegaram a ser apontados como suspeitos pela Sesau, após dois moradores rondonienses viajarem até São Paulo e dividirem um táxi com um chinês. Depois que retornaram, o homem e a mulher apresentaram sintomas “sugestivos” ao coronavírus.

Mas, em uma postagem no Twitter, o ministro Luiz Henrique Mandetta afirmou que a pasta revisou os casos notificados em Porto Velho e os descartou.

Qual é a origem do coronavírus?

O novo vírus é apontado como uma variação da família coronavírus. Os primeiros foram identificados em meados da década de 1960, de acordo com o Ministério da Saúde.

O nome do vírus não foi definido pela organização. Temporariamente, recebeu a nomenclatura de 2019-nCoV.

A doença provocada pela variação originada na China foi nomeada oficialmente pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como COVID-19, em 11 de fevereiro. Ainda não está claro como ocorreu a mutação que permitiu o surgimento do novo vírus.

Outras variações mais antigas de coronavírus, como SARS-CoV e MERS-CoV, são conhecidas pelos cientistas. Eles também chegaram aos humanos por contato com animais: gatos, no caso da Sars, e dromedários, no vírus Mers.

Coronavírus: infectologista explica o que é o vírus, sintomas e prevenção

 

Propaganda do ar

Como você avalia a gestão do Governo Marcos Rocha?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
alertarondonia

alertarondonia

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site