Ministério Público de Rondônia e Tribunal de Contas inspecionam Centro de Ressocialização de Ariquemes

24x31 banner gov
blank

Integrantes do Ministério Público de Rondônia (MPRO) e do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia (TCE-RO) realizaram inspeção ao Centro de Ressocialização de Ariquemes na última quinta-feira (28/07), com o objetivo de verificar as condições da unidade. No local, as autoridades constataram que o estabelecimento continua a registrar problemas como superlotação, falhas nas questões sanitárias, estruturais e de segurança. A vistoria é um desdobramento de uma atuação articulada entre os órgãos para correção de graves deficiências no centro.

Pelo MPRO, estiveram na unidade o Procurador de Justiça Carlos Grott e os Promotores de Justiça Tiago Lopes Nunes e Laíla de Oliveira Cunha Nunes, titulares da 6ª e 7ª Promotorias, com atribuições na área de Execução Penal da Comarca, além do Conselheiro do TCE, Benedito Alves.

Integrantes do MP e TCE percorreram as alas administrativa e de carceragem do centro. Na oportunidade, constataram que as precárias condições da unidade prisional permanecem em níveis intoleráveis, especialmente no que se refere à superlotação. Isso porque o presídio atualmente se encontra operando com quase o triplo de sua capacidade, contando com 551 detentos e apenas 198 vagas, registrando assim o maior índice relativo ao problema no Estado.

ACP- Em setembro de 2020, após a conclusão das investigações pertinentes, o Ministério Público ajuizou Ação Civil Pública de obrigação de fazer em face do Estado de Rondônia. Na ação, o MP destacou a configuração de um típico estado de coisas inconstitucional no que pertine à execução de pena na Comarca de Ariquemes, na medida em que o Estado de Rondônia, de forma omissa e reiterada, vem provocando há anos violações massivas dos direitos fundamentais dos reeducandos da unidade prisional, respectivos policiais penais e da sociedade em geral, não tomando nenhuma atitude minimamente eficaz para remediar o gravíssimo cenário constatado.

O Ministério Público ressaltou a excessiva e crescente superlotação carcerária; a não separação de presos pelo critério legal; ausência de local adequado para visitação; precária condição estrutural e de segurança da unidade; constantes fugas; sérios problemas nas instalações elétricas; péssimas condições sanitárias; alimentação não adequada e efetivo insuficiente de policiais penais.

Em seguida, encaminhou-se cópia da inicial e dos documentos que a instruíram ao Tribunal de Contas do Estado de Rondônia, tendo o relator, Conselheiro Benedito Alves, determinado a instauração de processo para apurar o caso.

Desde então, diante da persistência do gravíssimo cenário da unidade prisional de Ariquemes, o Ministério Público de Rondônia tem se articulado com integrantes dos Poderes Executivo, Legislativo e do Tribunal de Contas do Estado, sugerindo e cobrando a execução de melhorias na unidade.

Da redação do Alerta Rondônia

Departamento de Comunicação
24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site