MP obtém inconstitucionalidade de lei que extinguiu 11 unidades de conservação no Estado

24x31 banner gov
blank

O Ministério Público de Rondônia obteve no Poder Judiciário a declaração de inconstitucionalidade da Lei Complementar Estadual n° 999/2018, que extinguiu 11 unidades de conservação do Estado. A decisão foi concedida, por maioria, pelo Tribunal Pleno, em Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), proposta pela Procuradoria-Geral de Justiça.

De iniciativa do Poder Executivo, a norma declarada inconstitucional pretendia extinguir apenas a Estação Ecológica Soldado da Borracha. No entanto, no curso de sua aprovação, teve inserida em seu texto, pela Assembleia Legislativa, os incisos I a X do parágrafo único, para extinguir outras 10 unidades de conservação. Essas áreas, instituídas meses antes pelo Estado, por meio de decretos, já tinham tido a criação questionada pela ALE/RO, tendo suas delimitações sido preservadas mediante decisão judicial.

As unidades de conservação extintas pela Lei Complementar Estadual n° 999/2018 e agora restauradas pelo Acórdão do Tribunal de Justiça são compostas por duas estações ecológicas, quatro reservas de desenvolvimento sustentável, uma área de proteção ambiental, dois parques estaduais, uma floresta estadual e uma reserva de fauna.

ADI – Ao arguir a inconstitucionalidade da lei, por meio da ADI nº 0800922-58.2019.8.22.0000, protocolada em abril de 2019, o Ministério Público de Rondônia apontou a inobservância ao artigo 218 da Constituição Rondoniense, bem como ao artigo 225, da Constituição da República, entre outros.

Na ação, o MP afirmou ter havido grave vício de inconstitucionalidade na norma estadual, que extinguiu 11 unidades de conservação sem a realização de estudo técnico adequado, sob o simples argumento de que o ente público não teria orçamento para realizar a desapropriação em uma das áreas de proteção.

Entre os pontos destacados, ressaltou a relevância das Unidades de Conservação para a preservação da diversidade biológica amazônica. Por serem espaços especialmente protegidos, afirmou que qualquer alteração deveria ser precedida de estudo para mitigar efeitos maléficos ao bioma e à coletividade, sendo imprescindível ainda amplo debate parlamentar, com a participação da sociedade civil e dos órgãos e instituições de proteção ao meio ambiente, em observância à finalidade do art. 225 da Constituição da República e arts. 218 da Constituição do Estado de Rondônia, que assegura o direito de todos ao meio ambiente ecologicamente equilibrado.

O Ministério Público também fez referência ao princípio da proibição do retrocesso socioambiental, ao princípio da precaução e, ainda, ao princípio da equidade intergeracional.

Histórico do caso – Recentemente, a Lei Complementar nº 1.089/2021, ao tempo em que reduziu os limites da Reserva Extrativista Jaci-Paraná e do Parque Estadual de Guajará-Mirim, recriou cinco unidades de conservação que haviam sido extintas pela Lei Complementar nº 999/2018, sendo elas o Parque Estadual Ilha das Flores, o Parque Estadual Abaitará, a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Bom Jardim, a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Limoeiro e a Reserva de Fauna Pau D’Óleo. Contra a desafetação mencionada, o MP propôs Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 0804739-62.2021.8.22.0000, em maio deste ano. Na ADI, não questionou a recriação das unidades de conservação.

Em razão de uma outra iniciativa do Poder Legislativo em extinguir o Parque Estadual Ilha das Flores e reduzir a área da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Limoeiro, o Ministério Público de Rondônia ingressou com nova Ação Direta de Inconstitucionalidade (nº 0807382-90.2021.8.22.0000) em relação às Leis Complementares Estaduais nº 1.094 e nº 1.095, medidas que promoveram as alterações.

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site