Presos fazem 7 agentes reféns em rebelião em presídio de Manaus

Propaganda do ar

Sete agentes penitenciários foram feitos reféns por detentos na UPP (Unidade Prisional do Puraquequara), em Manaus, na manhã deste sábado (02). Segundo a Seap (Secretaria de Estado de Administração Penitenciária), a rebelião teve início por volta das 7 horas (horário de Brasília) e não há informações sobre mortos.

A pasta informou que a rebelião começou durante a entrega do café da manhã, quando internos serraram a grade de duas celas e fizeram os agentes de socialização reféns. Os presos atearam fogo em colchões e, de fora da unidade, era possível visualizar a fumaça intensa e ouvir gritos.

Em nota, a autoridade penitenciária do Amazonas disse que os presos ainda não libertaram os agentes e exigem a presença da imprensa e de grupos de direitos humanos.

“O Grupo de Intervenção Penitenciária (GIP) e forças de segurança da Polícia Militar do Amazonas (PMAM) – Rocam, Coe, Batalhão de Choque, Companhia de Cães – estão no local e já iniciaram as negociações”, disse a secretaria.

A causa do motim ainda é investigada. Desde 16 de março deste ano, quando o Governo do Amazonas baixou o primeiro decreto de ações de combate ao novo coronavírus, a administração penitenciária adotou medidas que ampliam as limitações nos presídios, como a suspensão de visitas.

A rebelião ocorre quando o surto de coronavírus sobrecarrega os serviços públicos em Manaus, com autoridades enterrando vítimas em valas comuns e alertando os moradores sobre a falta iminente de caixões.

No ano passado, mais de 50 presos foram estrangulados ou esfaqueados até a morte, enquanto gangues rivais lutavam entre si em quatro prisões distintas de Manaus.

Propaganda do ar

Como você avalia a gestão do Governo Marcos Rocha?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
alertarondonia

alertarondonia

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site