Tribunal do Júri em Vilhena condena homem que matou tio e enterrou corpo em quintal

24x31 banner gov
blank

O Tribunal do Júri da Comarca de Vilhena condenou um homem que matou o tio e enterrou o corpo no quintal de casa. Segundo a  sentença de pronúncia, John Rodrigues do Nascimento foi acusado de matar Nilton César Santos do Nascimento, tio dele, na madrugada de 28 de agosto de 2020, a golpes de faca. Nos autos consta que o crime foi cometido porque o tio estaria embriagado e se recusava a deixar sua casa quando solicitado. Narra, também, que em seguida o denunciado ocultou o cadáver da vítima, enterrando-o no próprio quintal da residência, local sobre o qual construiu uma calçada de concreto e uma churrasqueira, sendo o corpo ali encontrado dias após tal ocultação. O denunciado foi preso preventivamente no dia 9 de setembro de 2020.

O julgamento durou mais de 7 horas e foi presidido pela juíza Liliane Pegoraro Bilharva. John foi condenado pelos dois crimes, homicídio e ocultação de cadáver.  Os jurados entenderam que o motivo do crime de homicídio foi fútil, porém tal motivo não pode ser considerado, pois já serviu para qualificar o delito e em relação à ocultação de cadáver foi inerente ao tipo penal.

Na sentença foram levadas em consideração ainda as circunstâncias que agravaram o crime. A vítima era tio do réu, além de o crime ter sido cometido na residência que pertencia a avó do acusado e mãe da vítima. Em relação à ocultação de cadáver, o júri também entendeu pela gravidade, pois o acusado não só ocultou o corpo, como também construiu uma churrasqueira em cima do local e, depois disso, fez um churrasco com familiares.

Com base nestas circunstâncias e a decisão do júri, em especial a culpabilidade do agente, circunstâncias do crime e as consequências do delito, a magistrada fixou a pena base acima do mínimo legal para o crime de homicídio, ou seja, em 16 anos de reclusão, e para ocultação de cadáver em 2 anos de reclusão e 20 dias-multa.

A atenuante de confissão para ambos os delitos, diminuiu a pena em seis meses para 15 anos e 6 meses de reclusão para o delito de homicídio e 1 ano e 6 meses de reclusão e 15 dias-multa para o delito de ocultação de cadáver.

Foi aplicada a regra do concurso material e, por isso, as penas somam 17 anos de reclusão, 15 dias-multa, no valor 1/30 do salário-mínimo vigente na época do fato, que tornou definitiva em face da ausência de outras causas modificadoras da mesma.

O regime inicial para o cumprimento da pena será o fechado, uma vez que se trata de crime hediondo, bem como com base no artigo 33, § 2º, “a”, do Código Penal, considerando o montante da pena aplicada.

 

Assessoria de Comunicação Institucional

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site