&#39MONSTRO DE THEOBROMA&#39 É CONDENADO A QUASE UM SÉCULO DE PRISÃO

24x31 banner gov

O Poder Judiciário de Rondônia colocou ponto final na biografia doentia do ‘Monstro de Theobroma’, acusado e sentenciado a quase um século de cadeia por inúmeros crimes cometidos contra a própria família, inclusive de cunho sexual.

Ele respondeu por estupro de vulnerável; estupro; tortura; constrangimento ilegal; ameaça; cárcere privado; supressão de registro de recém-nascido; corrupção de menores e posse ilegal de arma de fogo e munições. Foi absolvido das imputações de constrangimento ilegal; cárcere privado e três acusações de ameaça.

Mesmo assim, a pena fixada pelo juiz de Direito Luís Marcelo Batista da Silva, da 1ª Vara Criminal de Jaru, alcançou a marca de oitenta e cinco anos e cinco dias de reclusão; um ano de detenção e dez dias-multa. O magistrado negou ao réu o direito de recorrer em liberdade pelo alto grau de periculosidade apresentado. Caso a decisão transite em julgado, o regime inicial para o cumprimento de pena será o fechado.

A história

J.R. B. estuprava reiteradamente duas filhas menores. Os abusos continuaram durante a adolescência, até que sua prisão fora decretada. O nome do estuprador foi suprimido por conta dos desdobramentos desencadeados pela lascívia do patriarca familiar. As perversidades começaram, de acordo com o Ministério Público (MP/RO), em 2001 e findaram apenas no ano passado, quando da prisão em flagrante.

“…inclusive no dia da prisão em flagrante do denunciado, 27/06/2016, J. estuprou a vítima [uma das filhas] antes dela ir à escola. Ressalta-se que a vítima, à época dos fatos, era menor de dezoito anos e maior de quatorze”, relatou o MP/RO.

Não satisfeito, chegou a engravidar uma das filhas, obrigando o filho, irmão da vítima, a registrar o rebento em seu nome para livrá-lo da culpa. Enquanto tudo isso ocorria, ameaçava, espancava e torturava os membros de seu clã.

Sobre a posse de armas e munições, o homem declarou que os artefatos eram seus, mas “nem eram armas que preste [sic]”, negando que saísse armado de casa. Ele alegou que as deixava em sua residência, guardadas no guarda-roupa e as tinha por ‘bobeira’. Segundo o magistrado, foi o único crime que o réu confessou.

Fonte: Rondoniadinamica
Postado por Izabella Coelho – DRT 1587/RO

blank

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
airton

airton

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site