Estresse crônico pode levar ao ganho de peso

Propaganda do ar

A obesidade já é considerada uma epidemia mundial. Só no Brasil, segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), mais da metade da população brasileira está com sobrepeso e a obesidade atinge 20% das pessoas adultas em nosso país. 

Segundo Carolina Marques, psicóloga e neuropsicóloga e cofundadora da Clínica Estar, além da mudança dos hábitos alimentares e do sedentarismo, típicos da sociedade moderna, o estresse crônico vivido por boa parte da população é um fator importante para o ganho de peso.

“O nosso cérebro comanda todas as nossas funções, incluindo a produção e a secreção de hormônios. Entretanto, o órgão não consegue diferenciar uma situação real de uma imaginária. O estresse tem uma função importante de nos deixar prontos para enfrentar algum perigo. Mas, quando essa situação se prolonga, há produção aumentada de uma série de hormônios, como o cortisol, a noradrenalina, adrenalina e GH (hormônio do crescimento). Todos eles levam à redução do gasto calórico para poupar energia do organismo, favorecendo assim o ganho de peso ou a dificuldade em perder peso”, explica Carolina.

Entre todos os hormônios secretados em situações de estresse prolongado, o cortisol é o que tem mais relação com o ganho de peso. De acordo com a psicóloga, ele age no hipotálamo, área do cérebro envolvida no controle do apetite. Ele ainda ativa enzimas que levam à multiplicação das células degordura, incentivam o depósito de tecido adiposo na região abdominal e promovem a produção de uma substância (neuropeptídeo Y),que incentiva a produção de tecido gorduroso. 

Compulsão por alimentos calóricos

Outro ponto importante é que o estresse aumenta o desejo por alimentos calóricos, ricos em carboidratos e gorduras. O carboidrato se transforma em energia rapidamente, aumentando a serotonina circulante, o que traz sensação de prazer. A gordura é fácil de ser armazenada para situações hipotéticas de perigo. “É como se o corpo quisesse, de algum jeito, compensar o sofrimento imposto pelo estresse”, explica Carolina. 

Como ficar de bem com a balança

O primeiro passo é gerenciar o estresse. “Estamos falando de uma consequência grave do estresse, pois o excesso de peso é um fator de risco importante para desenvolver outras doenças, como hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares, depressão, ansiedade, etc. A boa notícia é que o estresse pode e deve ser controlado. Tudo é uma questão de hábito, ou seja, para termos mais qualidade de vida precisamos mudar nossos comportamentos e fazer escolhas melhores até que se tornem hábitos”, diz Carolina.

Para a psicóloga, o primeiro passo é identificar o que está causando o estresse. O trabalho? A família? Os estudos? O trânsito? Nem tudo pode ser resolvido, mas é possível encontrar meios de gerenciar as situações para diminuir o estresse. Quer um exemplo?
 
“Se o trânsito é o foco do problema, que tal praticar alguma atividade física depois do trabalho? Além de ser saudável, o exercício libera substâncias que trazem prazer e bem-estar e ajudam a perder peso. Voltar pra casa depois do horário de pico será mais rápido e a pessoa terá feito uma escolha saudável para passar o tempo. Se isso se tornar um hábito, melhor ainda”, conclui Carolina. 

blank

Propaganda do ar

Como você avalia a gestão do Governo Marcos Rocha?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
airton

airton

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site