Fugitivo de Rondônia é preso escondido em MS

24x31 banner gov

O fugitivo do Presídio Agenor Martins de Carvalho, considerado de alta periculosidade, Elanir de Souza Marques, vulgo “Laniro”, foi preso na última terça-feira, dia 25, em uma casa, localizada na Rua Intendente Heliodoro A. Salgueiro, no município de Ponta Porã/MS, divisa com o Paraguai.

De acordo com o Delegado Titular da 1ª DP, Dr. Derli Gouveia, o resultado positivo desta prisão só ocorreu graças a uma ação em conjunto entre Policiais Militares do Núcleo de Inteligência do 2º BPM, Policiais Civis do Sevic da 1ª DP e a Polícia Federal, que não mediram esforços em colher informações e repassar os possíveis esconderijos para os Policiais Federais daquele município. “Assim que chegava informações de possíveis locais onde o Laniro poderia estar escondido, os policiais caíam em campo e entravam em contato com a Polícia Federal de Ponta Porã. Após quase trinta dias de um trabalho incansável, foi possível realizar a prisão de Laniro”, comentou o delegado.

No momento da prisão, “Laniro” tentou enganar os Policiais Federais passando um nome falso e entregando uma carteira de identidade em nome de “Jurandir Oliveira de Carvalho”. Cerca de uma hora após, ele falou que havia mentido seu nome e entregou outra identidade em nome de Júlio Cesar de Deus, mas ao realizar uma pesquisa mais minuciosa, a farsa foi descoberta.

Elanir Marques ou Laniro, estava sendo procurado desde Fevereiro deste ano, quando fugiu de um hospital em Porto Velho. Ele havia conseguido na justiça uma liberação provisória com uso de tornozeleira eletrônica para fazer um tratamento de saúde na Capital. Logo que chegou no hospital, rompeu a tornozeleira e fugiu.

A Polícia também informou que “Laniro” é apontado como sendo o chefe de uma quadrilha especializada em grandes roubos e assaltos a bancos.

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
airton

airton

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site