sexta-feira, março 1, 2024
Banner Theo Coelho
26 C
Porto Velho
sexta-feira 1, março, 2024
- Publicidade -
INFRAESTUTURA GOV RO 01 06.02.2024

LCP EM AUDIÊNCIA PÚBLICA NO INCRA DE PORTO VELHO

Mais lidos

Mais de 400 camponeses de diversas áreas de conflito agrário estão no INCRA desde ontem, 10 de maio de 2016, em Audiência Pública com a Ouvidoria Agrária Nacional, Programa Terra Legal, INCRA Nacional, Ministério Público Federal e Estadual e outros órgãos governamentais. A Audiência, convocada pela Liga dos Camponeses Pobres (LCP), tem por objetivo discutir a situação jurídica de mais 22 áreas camponesas. O Auditório do INCRA foi insuficiente para reunir os manifestantes que se amontoam por corredores e áreas externas.

Entre elas destacamos: Área Canaã, Renato Nathan 2, Monte Verde, Raio de Sol, Lamarca, Paulo Freire 4, Bacuri, 10 de maio, Enilson Ribeiro I e II, Monte das Oliveiras, Terra Nossa I e II, Monte Cristo, Jhone Santos e Rancho Alegre I e II. Segundo Pelé, representante da Comissão Nacional das Ligas Camponesas, inúmeras pautas fazem referência a “suspensão de reintegrações de posses e reconhecimento por parte do Estado do direito dessas famílias que ocupam áreas a mais de 10 anos, como é o caso da Área Canaã, município de Ariquemes”. Segundo levantamento da LCP a maioria das áreas é terra pública, fruto de grilagem de terras, conforme constam nos dados dos imóveis.

Em diversos momentos, inúmeros acampados que participam da audiência manifestaram sua insatisfação frente à inércia do INCRA e do Terra Legal em agilizar os processos dessas áreas, bem como intervir perante as instâncias jurídicas em caso de reintegração de posse.“Vamos resistir! Tudo o que temos está em nossos lotes: casa, benfeitorias, criações e lavouras. Não vamos abandonar anos de trabalho para que grileiros sejam beneficiados pelo governo”, manifestou-se Maria Aparecida, da Área Renato Nathan 2. Outro dirigente camponês, Gonzaguinha, do acampamento Enilson Ribeiro afirmou: “Estamos abertos ao diálogo. Contudo, na maioria das vezes o diálogo e audiências, parecem mais promessas sem solução. Estamos dispostos a resistir em nossas áreas, mesmo que para isso tenham que correr sangue. Me parece que é só essa linguagem que escutam? Assassinam nossos companheiros, a PM de Ênedi e Confúcio agem para perseguir e criminalizar nossa gente! Não vamos mais aceitar isso!! Depois afirmam que somos radicais e nos acusam de tudo, mas toda ação gera uma reação. Por isso estamos cansados de esperar pelo governo. Entramos na terra, cortamos e entregamos ao povo. Isso é a revolução agrária!”, desabafa.

Em assembleia realizada nesta manhã as mais de 22 áreas camponesas traçaram um plano geral de atuação enquanto a resposta do INCRA e demais órgãos não sai. A audiência prossegue pelo dia inteiro e a LCP deverá fazer uma manifestação pública para anunciar os encaminhamentos traçados até aqui. Diversas comissões camponesas estão se dirigindo a escolas e faculdades. Acompanham a audiência, advogados, entidades de solidariedade, jornalistas, professores e estudantes da Universidade Federal de Rondônia.

- Publicidade -
INFRAESTUTURA GOV RO 01 06.02.2024
- Publicidade -
arigurte
Loja da tucano

Você pode gostar também!

Feito com muito 💜 por go7.com.br
Pular para o conteúdo