REAJUSTE DE 2,63% EM REMÉDIOS É O MENOR EM DEZ ANOS

24x31 banner gov

O reajuste no valor de medicamentos autorizado para 2017 será o menor dos últimos dez anos. A alteração média será de 2,63%, abaixo da taxa de inflação de 4,76% registrada entre março do ano passado e fevereiro deste ano. Também foi inferior ao índice de 2016, que foi de 12,5%. A lista com os valores máximos dos remédios foi publicada no Diário Oficialda União (DOU).

O ajuste foi autorizado pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED) e será aplicado a três tipos de remédios. O primeiro grupo é o dos medicamentos de maior concorrência, aqueles que possuem mais laboratórios produzindo diversas marcas ou genéricos substitutos, como omeprazol e pantoprazol, cujo aumento deve chegar a 4,76%.

Um segundo grupo de medicamentos são os que têm concorrência moderada, como antifúngicos sistêmicos e analgésicos narcóticos, tais como a morfina. O preço desses medicamentos pode subir até 3,06%.

Já o terceiro grupo é o dos medicamentos com baixa concorrência, como os corticosteroides oral puro e penicilinas injetáveis. Os medicamentos desse grupo respondem por mais da metade do mercado e terão os menores ajustes, em no máximo 1,36%.

A fórmula para chegar a esses percentuais levou em conta o IPCA e fatores relacionados à concorrência de mercado, produtividade da indústria farmacêutica e também os custos de produção. O aumento não é automático, e o índice recai sobre os valores máximos dos remédios. Para aplicar o ajuste, as fabricantes devem informar à CMED as vendas do segundo semestre do ano passado e relatar qual percentual de ajuste pretendem aplicar.

Para o ministro da Saúde, Ricardo Barros, a queda nas taxas da energia elétrica e do câmbio impactaram nos cálculos deste ano. “O setor farmacêutico foi um dos poucos que tiveram crescimento no seu faturamento e que recuperaram parte da sua produtividade no ano passado. A inflação, que é considerada para o cálculo do ajuste, também foi peça fundamental para os percentuais mais baixos deste ano. Ela fez com que o índice nas três categorias caísse bastante”, destacou.

CMED

A regulação de preços exercida pela CMED tem o papel de moderar dos ajustes de preços de medicamentos no País e tem feito com que esses ajustes se mantenham abaixo da inflação acumulada no período regulado. Nos últimos dez anos, enquanto o IPCA variou em 82,30%, o ajuste dos medicamentos medido pelo IPCA farmacêutico foi de 64,88%. Descontando-se a inflação, portanto, observa-se uma queda real nos preços autorizados pela CMED ao longo dos últimos anos.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério da Saúde

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
airton

airton

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site