MP e Polícia Civil deflagram operação para combater ocupação e comércio ilegal de madeira no Parque Estadual de Guajará-Mirim

24x31 banner gov
blank

O Ministério Público do Estado de Rondônia, por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Guajará-Mirim, com o apoio do Grupo de Combate ao Crime Organizado (GAECO), e a Polícia Civil do Estado de Rondônia, pelas Delegacias Regionais de Guajará-Mirim e de Nova Mamoré e do Departamento de Polícia Especializado, deflagraram, na manhã desta quarta-feira (09/06), a Operação Bico Fechado, para combater a ocupação, o comércio e a exploração ilegal de recursos naturais na unidade de conservação Parque Estadual Guajará-Mirim (PEGM) e na área denominada “Bico do Parque”, Zona de Amortecimento da unidade.

O PEGM e sua Zona de Amortecimento constituem uma das regiões ambientais mais relevantes e sensíveis do estado de Rondônia e há mais de um ano foi constatado o aumento do desmatamento do local.
Durante as investigações, que tiveram início em setembro de 2020, foi identificada a presença de organização criminosa articulada para o desmatamento do Parque Estadual Guajará-Mirim e da sua Zona de Amortecimento, que vem ocupando, de forma ilegal, a área denominada “Bico do Parque”, em manifesta afronta à legislação ambiental, pelo que foi requerida à Justiça Estadual a concessão de medidas cautelares, dentre elas a expedição de mandados de busca e apreensão, para desarticular o grupo criminoso e frear os desmatamentos na área ambientalmente protegida.
Já foram apurados danos ambientais que superam 80 milhões de reais.
Estão sendo cumpridos 11 mandados judiciais de busca e apreensão nos municípios de Nova Mamoré e de Porto Velho.
A denominação Operação Bico Fechado faz referência à área da Zona de Amortecimento do Parque Estadual Guajará-Mirim conhecida como “Bico do Parque”.
24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site