VEREADOR É PRESO POR DESOBEDIÊNCIA APÓS ALEGAR IMUNIDADE PARLAMENTAR EM ABORDAGEM DA PM

24x31 banner gov

O vereador Eduardo Paes (PSB), de Guajará-Mirim (RO), foi preso por desobediência durante uma abordagem da Polícia Militar (PM) neste fim de semana em Nova Mamoré (RO), a 300 quilômetros de Porto Velho. Segundo a PM, o vereador estava em um carro com outras pessoas e teria recusado ser abordado pela guarnição alegando ter imunidade parlamentar.

O G1 tentou entrar em contato com o parlamentar neste sábado (1°), mas não obteve nenhum retorno de Eduardo Paes até a publicação da reportagem.

Conforme informações repassadas pela PM, uma guarnição fazia abordagem na entrada de Nova Mamoré, próximo a um posto de gasolina, quando o carro com o parlamentar se aproximou.

Os policiais deram ordem de parada e ordenaram que os passageiros saíssem do veículo para uma abordagem de rotina, assim como o veículo seria revistado.

Conforme a PM, o vereador de 26 anos se recusou a ser revistado pelos agentes e imediatamente alegou ter imunidade parlamentar, ressaltando que não poderia ser abordado e nem revistado por aquela guarnição.

O comandante da guarnição tentou convencer o vereador da necessidade da abordagem como procedimento de segurança, mas ele se negou mais uma vez.

Diante da nova negativa, o policial deu voz de prisão por desobediência e o informou no interior da viatura que ele seria revistado, mesmo que fosse necessário o uso da força moderada. Mesmo não concordando, o parlamentar foi revistado, mas com ele nada foi encontrado.

O vereador foi conduzido ao hospital do município e fez um exame de corpo de delito. Em seguida foi ouvido pelo delegado plantonista e liberado.

Investigação

Em entrevista o delegado que atendeu o caso, Lawrence Lachi, declarou que não houve resistência na ocorrência, mas Eduardo Paes foi conduzido pelo crime de desobediência durante uma abordagem policial.

blank

“A ocorrência foi classificada pela PM como desobediência e trata-se de um crime de menor potencial ofensivo e não houve estado de flagrante. Nesse caso, o vereador e os demais envolvidos na ocorrência foram notificados para comparecer na delegacia posteriormente para prestar depoimento, ou seja, ele e os outros ainda não foram ouvidos. Ele (Eduardo) será ouvido pela autoridade policial dentro de uma agenda útil”, explica.

Sobre os procedimentos em relação à ocorrência, o delegado explicou ainda que o caso será investigado e, se for comprovado que houve desobediência, o parlamentar poderá responder um Termo Circunstanciado (TC).

“Existe um cronograma e provavelmente iremos colher o depoimento na próxima semana. A abordagem é uma situação comum, corriqueira, mas com a peculiaridade que envolveu este vereador”, finalizou Lawrence.

Postado por Izabella Coelho – DRT 1587/RO 
Fonte: G1
blank
24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
airton

airton

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site