Como criar e fazer render a reserva de emergência

Propaganda do ar

Os brasileiros estão cada vez mais atentos sobre a importância de ter uma reserva de emergência. Esse é o segundo principal objetivo de quem realiza aplicações financeiras no país, atrás apenas do sonho da casa própria, conforme pesquisa realizada pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) em parceria com o Datafolha. Apesar do interesse, muitas pessoas não sabem por onde começar.

A quinta edição da pesquisa “Raio X do Investidor”, publicada em maio deste ano, mostrou que aproximadamente 52 milhões de brasileiros realizaram algum tipo de aplicação financeira em 2021. A maioria desses investidores integra as classes sociais A e B (52%). Já a classe C corresponde a 29%, enquanto D e E apenas 16%.

Na avaliação da Anbima, os percentuais não surpreendem, uma vez que as famílias das classes mais baixas, muitas vezes, encontram-se em situação de vulnerabilidade econômica e social, o que as impede de poupar e investir.

Entre aqueles que investem, o principal objetivo é usar o retorno financeiro para a compra da casa própria (29%). Outros 20% pretendem criar uma reserva de emergência. Também foram citados na pesquisa os interesses em comprar um veículo (8%), trabalhar no próprio negócio (8%), planejar a aposentadoria (8%), viajar (7%) e investir em educação (7%)

.

Como começar a poupar

A reserva de emergência é um recurso financeiro para ser usado em situações de grande necessidade. Em seu canal “Me Poupe!”, a especialista em finanças Nathalia Arcuri compara esse tipo de reserva ao kit de primeiros socorros. “Ambos ficam guardados e você espera nunca ter que usá-los”, explica.

Para criar uma reserva de emergência, Nathalia orienta calcular o custo de vida para um período de seis meses. Isso não significa multiplicar o salário por seis, mas conhecer o total de despesas que se tem por mês. Para tanto, é aconselhável colocar no papel todos os gastos fixos e variáveis. Depois de saber esse número, aí sim deve ser feita a multiplicação por seis. O valor final será a meta para poupar.

Segundo a especialista, a proposta é garantir seis meses de tranquilidade financeira caso alguma emergência ocorra, como a perda do emprego ou um problema de saúde.

Como fazer o dinheiro render

Juntar o dinheiro necessário para manter seus gastos por um período de seis meses, a princípio, pode parecer uma tarefa difícil. Para Nathalia, o segredo é escolher aplicações financeiras que vão trabalhar pelo investidor, fazendo o recurso poupado render.

A primeira orientação da especialista é não optar pela caderneta de poupança, tendo em vista que a remuneração é inferior em comparação a outras aplicações.

Para ter acesso a outros tipos de produtos financeiros, é aconselhável abrir uma conta em uma corretora de investimentos, que conta com uma equipe de profissionais capacitados para orientar sobre quais as melhores opções disponíveis.

Os títulos do Tesouro Direto e os Certificados de Depósito Bancário (CDB) com liquidez diária são alternativas para a criação de uma reserva de emergência. Além de mais seguros em relação a outros investimentos, ambos estão mais lucrativos por conta da alta da taxa básica de juros Selic, fixada em 12,75% ao ano.

por: Luiz Affonso Mehl

Governo 10.06.2022 PI 37425

COMO VOCÊ AVALIA A GESTÃO DA PREFEITA CARLA REDANO EM ARIQUEMES?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site