O COMBALIDO PATRIMÔNIO FERROVIÁRIO E SUA INACEITÁVEL MEIA DEVOLUÇÃO

24x31 banner gov

blank

Em frente ao Prédio do Relógio, o ato de devolução do acervo (incompleto) ferroviário

Primeiro é bom repetir uma vez mais: temos história, embora muitos não a respeitem.

O desvio de peças históricas pertencentes ao Museu Ferroviário da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré cobra-nos outra vez posição de alerta, ao tempo em que nos causa indignação.

Depois de perder grande parte de seu valioso acervo, agora o devolvem em ato público, enferrujado, como se completo estivesse.

Não fosse a desconsideração da flagrante irregularidade, o ambiente em que transcorre essa devolução parece ensejar uma farsa. Por esse motivo, a Associação de Preservação do Patrimônio Histórico de Rondônia e Amigos da Madeira Mamoré (Amma) lamenta que antes da consumação do ato não fossem investigados e punidos, na forma da lei, ex-gestores do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Gerência Regional do Patrimônio da União e a anterior administração do Município de Porto Velho. Todos acumulam culpas por omissão.

Soldados da Logística da Brigada de Selva retiram peças

blank

A Amma denuncia agora à Procuradoria da Republica em Rondônia a ilegalidade de se restituir ao Município uma parte do patrimônio desfalcado.

Lembramos de dois fatos para clarear memórias dos mais jovens, especialmente: de 28 a 29 de novembro de 1980, na margem do rio Madeira, a EFMM ressurgia no coração dos amazônidas, por ocasião do Seminário Madeira-Mamoré, no governo de Jorge Teixeira de Oliveira. O presidente da República era o general João Baptista Figueiredo.

O evento teve como tema Proteção, Recuperação e Utilização da EFMM unindo autoridades, intelectuais, ferroviários e populares.

Lamentavelmente, as barbaridades ocorridas de lá para cá, demoveram muita gente das mínimas ações em prol da ferrovia, e isso foi bem acentuado quando a classe política prometeu mundos e fundos com a construção das usinas hidrelétricas do Rio Madeira. A mais próxima da cidade fora construída dentro do sítio da Madeira-Mamoré!

Aquele saudoso seminário recomendava a reativação completa da EFMM, de Porto Velho a Guajará-Mirim e, dentre suas decisões, moção do escritor Manoel Rodrigues Ferreira criava uma associação de classe dos ex-ferroviários.

Não faz muito tempo, o Ministério Público Federal em convidava a população de Porto Velho a apoiar uma campanha na internet, em apoio à transformação da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré em Patrimônio da Humanidade, o que muito orgulharia Rondônia.

Naquela ocasião, o jornal Alto Madeira alertava que, se essa medida fosse tomada, haveria risco de “os restos mortais da ferrovia ficarem entregues à própria sorte”, já que ao longo dos anos, desde a extinção da ferrovia, sucessivos  projetos anunciados por prefeitos, governadores e gestores públicos foram à bancarrota.

Na verdade, a Madeira-Mamoré, cassada durante o regime militar instaurado em 1964, foi paralisada, e isso fez chorar nossa gente, toda Amazônia Brasileira e o País. Eliminaram uma das primeiras obras modernas construídas no início do século 20 e que se tornou conhecida mundialmente, menos para a maioria dos rondonienses, que até hoje não a veem com o devido amor que a obra sempre mereceu.

A Amma sempre lembra, em suas denúncias ao Ministério Público, ao Governo Estadual e à Procuradoria Geral da República, que a ferrovia trouxe desenvolvimento e progresso à região e à fronteira Brasil-Bolívia.

Do último apito para cá, desde o dia 10 de julho de 1972, quando seus trens, definitivamente, cessaram aquelas fantásticas viagens que duraram 60 anos, ferroviários, familiares e demais porto-velhenses ouvem promessas e mais promessas de que o patrimônio seria recuperado. Nós, da Amma, fizemos de tudo para que o trem voltasse a andar, porém, nos defrontamos com forças demasiadamente mesquinhas, especialmente no meio político, transformando nossos sonhos em pesadelos.

Se o 10 de julho faz lembrar a ação dos administradores ingleses, que nessa data, em 1931, abandonaram-na, obrigando o governo brasileiro a assumi-la, o que dizer dos sucessivos piseiros dentro do pátio e do sítio ferroviário, onde shows de rock, festas, réveillons maltratando um patrimônio construído pela força de homens de diversas nacionalidades?

 

Em janeiro, por ocasião da celebração do aniversário da cidade, o prefeito Hildon Chaves afirmou que, sozinho “não conseguiria fazer nada se não tivesse a participação de cada um, com ações simples de limpeza da frente de casa, de não sujar a cidade e de ajudar a preservar os equipamentos públicos”.

Esses equipamentos públicos também pressupõem o patrimônio avariado e sofrido daquela que foi a ferrovia mais isolada do mundo no início do século passado.

Há pouco, a Bandeira do Município foi desfraldada no interior do pátio ferroviário. Antes o fosse, se as autoridades localizassem as peças furtadas ou roubadas. Aí, sim, seria importante contemplar, desde a manhã ao entardecer, a bandeira que demarca um território vilipendiado e há tempos invadido pela ganância de poderosos.

blank

Móveis que estavam guardados no Prédio do Relógio

Permitiram que desaparecessem peças importantes. À Procuradora da República Gisele Bleggi, nesta data de 14 de março, denunciamos o desvio do acervo da EFMM e a sua devolução de maneira acobertada por gestores federais e municipais.

No que está estabelecido pelo Iphan em processo de tombamento da EFMM consideramos de suma importância a apresentação do inventário referente ao acervo que o fundamentou.

Mencionado relatório dará base para se confrontar as peças constituídas do Museu Ferroviário, ora em devolução parcial, e avaliar o que foi desviado com o aval do Iphan, SPU e Prefeitura de Porto Velho.

Desde julho de 2006, estas pessoas e instituições gestoras permitiram que o lamentável fato ocorresse: Serviço de Patrimônio da União: gestores Ismael Corrêa Vaz, superintendente atual, indicado para o cargo pelo deputado federal Lindomar Barbosa Alves, Garçom (PRB-RO); predecessor: Antônio Roberto dos Santos Ferreira, até 2016.

Mais: o Iphan, na pessoa da presidente nacional Kátia Bogea; de Telma Batista do Carmo Siqueira, Mônica Castro e Alberto Bertagna, gestores; Funcultural Rondônia, Antonio Ocampo Fernandes, superintendente.

 

 

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
airton

airton

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site