Suspensão indevida de fornecimento de energia elétrica gera indenização a consumidora

Propaganda do ar
blank

 Nesta quarta-feira, 10, a 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Rondônia manteve a condenação da Energisa Rondônia no valor de 6 mil reais, em razão da suspensão indevida do fornecimento de energia elétrica de uma consumidora.

A consumidora alegou nos autos que, em setembro de 2020, funcionários da empresa de energia elétrica compareceram em sua casa e passaram a vistoriar o relógio medidor. Alguns dias depois tomou conhecimento de um auto de infração e do lançamento de um débito por multa no valor de R$ 9.697,82. Posteriormente, a consumidora teve a suspensão do fornecimento dos serviços de energia, além de receber a informação que o retorno da energia dependia do pagamento da fatura.

O Juízo da 4ª Vara Cível de Ariquemes declarou inexigível a fatura no valor de R$ 9.697,82 e condenou a Energisa ao pagamento de indenização por danos morais no valor de 6 mil reais.

Inconformada com a decisão, a Energisa entrou com recurso de apelação, alegando que a fatura emitida com valor elevado se refere a recuperação de consumo em razão do relógio medidor possuir irregularidade e não apontar o consumo real de energia da residência da consumidora. O recurso foi negado pelos desembargadores da 2ª Câmara Cível.

Em seu voto, o relator do processo, desembargador Alexandre Miguel, ressaltou que a 2ª Câmara Cível pacificou entendimento sobre a questão da recuperação de consumo em razão de defeito no medidor, decidindo sobre a possibilidade de apuração do consumo, desde que de acordo com as normas estabelecidas pela agência reguladora.

Sendo assim, ainda que a concessionária pudesse realizar perícia para aferir eventual irregularidade na medição, o valor do débito deveria considerar a média de consumo dos três meses imediatamente posteriores à substituição do medidor e pelo período pretérito máximo de um ano, pois revela o consumo efetivo de energia elétrica, no padrão do novo medidor instalado, conforme dispõe a Resolução da ANEEL.

Segundo consta nos autos, a concessionária Energisa efetuou a apuração de diferença de consumo em razão de irregularidade de forma unilateral, sem oferecer oportunidade de participação ou o acompanhamento do consumidor.

Os desembargadores mantiveram a sentença que declarou a inexistência do débito decorrente da aferição unilateral do medidor de energia. “Embora informe e comprove que notificou a autora para acompanhar a perícia, não apresentou documentos a demonstrar a forma que foi realizada referida perícia”, ressaltou o relator.

Ainda ficou assegurado à Energisa o direito de emitir nova fatura de cobrança considerando a média dos três primeiros meses imediatamente posteriores à substituição do medidor e pelo período pretérito de um ano, desde que demonstre, detalhadamente, a forma de cálculo utilizada.

 

Assessoria de Comunicação Institucional/Alerta Rondônia

Propaganda do ar

Como você avalia a gestão do Governo Marcos Rocha?

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site