EX-PREFEITO É MORTO A TIROS 4 DIAS APÓS DEIXAR O CARGO

24x31 banner gov

O ex-prefeito de Ministro Andreazza (RO), Neuri Carlos Persch (PTB), foi assassinado a tiros na noite desta quarta-feira (4), quatro dias após deixar o cargo da administração municipal. De acordo com informações da Polícia Militar (PM), Neuri estava perto da casa da mãe, quando dois homens em uma moto se aproximaram e efetuaram mais de 5 disparos contra a vítima.

Conforme informações de testemunhas, após o crime os suspeitos fugiram de moto pelas ruas, próximo de um bosque. Por causa dos ferimentos provocados pelos disparos, o ex-prefeito morreu antes mesmo da chegada de socorro.

Neuri tinha atualmente 48 anos e, nesta quarta-feira, havia sido nomeado secretário de planejamento da prefeitura de Cacoal (RO), que fica a cerca de 40 quilômetros de Ministro Andreazza.

Os suspeitos de assassinarem o ex-prefeito ainda não foram identificados ou presos, segundo a PM. A Perícia Técnica de Cacoal foi chamada para atender a ocorrência e ainda está no local. A Polícia Civil investiga o que pode ter motivado o homicídio.

TRAJETÓRIA

Neuri Carlos Persch nasceu no dia 13 de fevereiro de 1968, em Matelandia (PR). No ano de 1988 começou a trabalhar como professor na Escola Costa e silva na Linha 5, em Ministro Andreazza. Ele também foi vereador e secretário de Educação no município. No ano de 1996 foi eleito pela primeira vez para prefeito, sendo reeleito na cidade já em 2000.

No ano de 2008 tornou a se candidatar a prefeito e foi eleito. Neuri foi reeleito em 2012 com 4.659 votos, ou seja, 62,08% da votação válida. Ele assumiu a prefeitura em 2013 tendo com o vice Arnaldo Strellow, que em 2016 se candidatou à prefeitura da cidade e venceu a disputa eleitoral.

No último domingo (1°), Neuri passou o cargo da prefeitura para Arnaldo.

Por Izabella Coelho – DRT 1587/RO

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
airton

airton

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site