OPERAÇÃO DA POLÍCIA CIVIL PRENDE SUSPEITOS DE HOMICÍDIO E FORAGIDOS

24x31 banner gov
 
 
A Polícia Civil de Ariquemes (RO), no Vale do Jamari, deflagrou nesta sexta-feira (17) a Operação Lápide, que culminou na prisão de seis suspeitos de homicídios cometidos na região. De acordo com a polícia, a ação concluiu as investigações de quatro assassinatos praticados no município e um em Cacaulândia (RO). Os policiais ainda cumpriram quatro mandados de prisão a homens que estavam foragidos de Porto Velho. Ao todo, 10 mandados de prisão e uma internação foram cumpridos.

Conforme o delegado responsável, Vinicius Lucena, as ações da operação foram realizadas com um efetivo de 30 policiais divididos em sete equipes de investigação e iniciaram após um homem ser morto com golpes de pedra na cabeça no canteiro central da Avenida Candeias, no Setor 3, em novembro de 2016, em Ariquemes.

“O nome da Operação Lápide surgiu após iniciarmos as investigações da morte ocorrida no Setor 3 e, três dias depois, ocorreu outro homicídio no Setor 8, em um bar com a mesma forma do crime anterior, com golpes de pedra na região da cabeça das vítimas. Isto nos chamou a atenção e começamos a trabalhar em cima de possíveis situações em que os criminosos estivessem deixando a assinatura pelas mortes por apedrejamento, em razão disto fizemos a nomenclatura Lápide”, comenta o delegado.

Delegado Vinicius Lucena concedeu entrevista sobre os casos na manhã desta sexta-feira, 17 (Foto: Rede Amazônica/Reprodução)
Delegado Vinicius Lucena (Foto: Rede Amazônica/Reprodução)

Destes dois homicídios a pedradas, a polícia cumpriu o mandado de prisão preventiva de quatro suspeitos, onde dois deles teriam participado nos dois crimes. Porém, durante as investigações, a polícia recebeu informações de outros casos de homicídios, o qual um deles aconteceu em outubro do ano passado, em Cacaulândia, contra um idoso de 74 anos, em uma residência utilizada para o uso de entorpecentes

“Localizamos as duas pessoas que seriam os suspeitos de terem praticado este homicídio, e as testemunhas afirmaram que foram eles os responsáveis pelo crime e conseguimos cumprir um mandado de prisão. O outro mandado, acreditamos que iremos cumprir nas próximas horas, pois o suspeito estaria em outro município do estado”, disse o delegado na manhã desta sexta-feira durante entrevista.

A Polícia Civil também esclareceu na ação um homicídio ocorrido no dia 12 de novembro de 2016, onde um jovem de 20 anos foi assassinado a tiros enquanto caminhava em uma rua de Ariquemes.

“O motivo deste homicídio ocorreu após um desentendimento amoroso, onde a vítima não aceitava a separação com a sua ex-namorada, a qual já estava se relacionando com o suspeito do crime. Fizemos um levantamento de informações e apuramos que a vítima teria ameaçado de morte o atual namorado da jovem, que com a ajuda do irmão menor de idade, praticaram o homicídio”, detalha o delegado.

Polícia Civil de Ariquemes (Foto: Rede Amazônica/Reprodução)
Polícia Civil de Ariquemes (Foto: Rede Amazônica/Reprodução)

Os dois irmãos foram localizados, onde o adolescente teve a internação no Centro Socioeducativo (Cesea) de Ariquemes no início do mês. Enquanto o autor dos disparos teria fugido do município, mas foi encontrado e preso em Porto Velho.

Ainda segundo o delegado, foram descobertos quatro mandados de prisão em aberto, que foram cumpridos durante a operação. Todos os mandados foram expedidos na Comarca de Porto Velho. Entre os mandados de prisão, dois são de furto, um de roubo e um de estupro de vulnerável.

“Localizamos o endereço de um deles, o qual estava transitando livremente na cidade e demos cumprimento na prisão nesta sexta-feira. Os outros três estavam recolhidos no presídio local e após serem identificados, também foram cumpridos os mandados de prisão”, finaliza.

 

Jeferson Carlos

Do G1 Ji-Paraná e Região Central

24x31 banner gov

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
airton

airton

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Com muito ❤ por go7.site